6 coisas que aprendi na “Expedição Barco Biblioteca” e que podem ser úteis para você

20819491_2021627914521388_3377328031663967091_o.jpg

A leitura é um fator primordial para a vida em sociedade, mesmo assim muitas pessoas ainda não se apropriaram desse hábito. Essa temática vem sendo foco de várias pesquisas e eventos acadêmico-científicos, sempre com o objetivo de torná-la acessível a todos.

O Brasil apresenta largas distâncias entre seus Estados e municípios sofrem com a ineficácia na implantação de projetos. O Estado do Amazonas ocupa o maior espaço territorial do país, além disso, o transporte fluvial pelos rios é a única forma de acesso às comunidades.

mapa-amazonas

Mapa do Estado do Amazonas (Brasil) com seus 62 municípios. Imagem disponível em: http://www.guiageo.com/pictures/mapa-amazonas.jpg

Nesse contexto a Expedição Barco Biblioteca atua com uma atividade desenvolvida por um grupo de voluntários que visa levar a leitura para as comunidades do Amazonas que não possuem acesso de via terrestre, tentando alcançar e ganhar o maior número de leitores possíveis. Contribuindo para o processo de inclusão informacional a partir da prática da leitura e a democratização do acesso ao livro que são aspectos importantes na denominada sociedade da informação e do conhecimento.

Trata-se de um desafio, pois a leitura, condição que para muitos é considerada essencial, não está disposta para todos e há pessoas analfabetas que precisam ser incluídas na sociedade a fim de garantir sua participação como cidadão.

A metodologia dessa atividade surgiu em 2006 com o Instituto Ler para Crescer da Amazônia (ILPC), organização sem fins lucrativos, de atuação filantrópica em defesa dos direitos das crianças e adolescentes e que se ocupa com ações para comunidades menos favorecidas nos bairros da periferia de Manaus.

A ação arrecada recursos financeiros por meio de doações de amigos e familiares. Destaca-se que é uma atividade voluntária e estamos abertos para parcerias e mais voluntários para as próximas edições.

O Barco viaja pelos rios do Amazonas, promovendo ações em comunidades ribeirinhas – especialmente para as crianças que ali vivem. Tais atividades destacam a importância dos livros na vida cotidiana e abordam temáticas que valorizem a conscientização ambiental, já que estão inseridos no ambiente amazônico e também ao valorizar essa temática, cria-se um sentimento de identidade com a população visto que grande parte vivem a base econômica de agricultura e da pesca.

 

 

Nossa jornada teve início no dia 11 de agosto onde nos deslocamos para o município de Manacapuru localizado a 71 km da capital mas que faz parte Região Metropolitana de Manaus, no estado do Amazonas. No dia 12, partimos logo cedo do Porto de Manacapuru e voltamos à Manaus no final da tarde do dia 13.

Posso dizer que foi um final de semana revigorante para todos os marujos (maneira pela qual denominamos carinhosamente cada voluntário da atividade), acreditamos que  plantamos boas sementes e que em breve elas possam florescer e gerar bons frutos nas Comunidades: Águia de Sacambu, Nossa Senhora de Nazaré, São Paulo e São Pedro do Castanho.

tux-161379_1280.png

Após conversa com os marujos ,  chegamos a conclusão que aprendemos sobre:

  1. Reciprocidade. Vamos para ajudar mas na verdade  nós somos ajudados. Não somos mais as mesmas pessoas que éramos antes dessa atividade assim como as pessoas com as quais tivemos contato também foram impactadas e transformadas de alguma maneira. Fomos marcados e marcamos vidas, histórias, redesenhamos rumos.
  2. Conexões. Estabelecemos fortes conexões. A possibilidade da imersão faz com que trocamos ideias constantemente, compartilhando experiências de vida e aprendendo juntos a cada momento. Mesmo a maioria dos marujos  não se conheçam previamente, salvo poucos casos, ao final todos saem como se fossem amigos “a mais de 10 anos”. Isso porque as atividades são divididas por grupos e a rotatividade na execução das atividades e as dinâmicas facilitam o intercâmbio na medida que favorece o diálogo.
  3. União. Juntos somos mais fortes. Somos a soma de muitas experiências e podemos ser pontes para muitos, sobretudo para as pessoas menos favorecidas. Há quem diga que servimos de canal de alegria e conhecimento na vida daqueles pequeninos e pequeninas.
  4. Amor e solidariedade. O amor transborda. Essa foi a resposta inclusive para a imprensa. Os marujos transbordam amor o ano todo com seus pais. Dedicaram o final de semana para dividir amor com outras pessoas, com outras crianças e outros pais. Isso porque esse projeto social, mais que executado ele é vivido. Aqui o importante é a boa vontade: há que doar-se!
  5. Habilidades e talentos. Sempre há a ocasião certa para descobrir ou desenvolver talentos e habilidades. Ver como o outro me enxerga e como eu me vejo é ideal para reconhecer que não somos perfeitos mas podemos melhorar. O importante é  não focar nas nossas deficiências e sim no que sabemos fazer com louvor. E o que sabemos fazer bem deve ser compartilhado. Assim,  o barco é  uma oportunidade para se juntar com aquele colega que sabe fazer outra coisa que eu sou capaz de reconhecer que não sou tão bom mas me interessa desenvolver.
  6. A leitura como experiência. Ler ou escutar em voz alta é uma maneira de abrir os espaços para fora da realidade. A leitura permite um salto para um mundo onde a fantasia e a imaginação de um futuro passa a ser possível. Ela nos convida a isso quando nos apropriamos de fragmentos de espaços fictícios para ilustrar a nossa alma e criar novos lugares para viver. Quero dizer aqui, que projetamos belezas, fábulas, sonhos e maravilhas sobre a nossa vida cotidiana.

Que possamos multiplicar essa corrente do bem, que possamos ser mediadores de leitura saindo de barco, de ônibus, a pé… Que sejamos luz e alegria nesse mundo.

Informamos aos leitores do blog que em breve vocês poderão replicar a experiência. Poderão se juntar com um grupo de amigos, familiares e outros que acreditam na ideia e desenvolver a atividade. Em breve divulgaremos o Manual para realização do Barco Biblioteca, detalhando as atividades.

Se você tem interesse em viver essas experiências, fique atento para as próximas edições. Provavelmente não vai ser como você imagina, vai ser muito melhor.

Anúncios

Destacam o poder da leitura para harmonizar e tornar as pessoas melhores

Sala de leitura. Foto: Divulgação do Programa Nacional de Salas de Leitura (PNSL) da Conaculta, México.

Sala de leitura. Foto: Divulgação do Programa Nacional de Salas de Leitura (PNSL) da Conaculta, México.

Inaugurando a Conferência Nacional de Mediadores de Sala de Leitura, que ocorreu no dia 22 de outubro na cidade de Mérida, Estado de Yucatán, México e contou com a participação de mais de 150 mediadores destas salas a diretora geral de publicações de Conaculta (Conselho Nacional para a Cultura e as Artes), Marina Núñez Bespalova ressaltou que já existem mais de três mil desses espaços em todo o país e alcançou a formação das pessoas, especialmente dos jovens.

Jorge Cortés Ancona, Marina Núñez Bespalova, Hiryna Enríquez Niño (representando os professores) .

Jorge Cortés Ancona, Marina Núñez Bespalova, Hiryna Enríquez Niño (representando os professores) .

As salas de leitura que surgem como um esforço social “são salas frutíferas que estão formando leitores com um nível de amplo e crítico de leitura.

” Acrescentou ainda que “São pessoas que sabem como escolher o que ler e que nos faz felizes e nos dá muita esperança e nos anima, nos dá confiança para continuar com o apoio dos outros.”  – Bespalova

Está comprovado, acrescentou, que as comunidades se deslocar no livro, inclusive têm apoiado a determinados programas de corte social, de harmonia, de pacificação, então é algo que deve ser apoiado por ser uma ferramenta valiosa de divulgação da cultura e a promoção da leitura .

Isso tem dado certo porque tivemos sensibilidade suficiente para encontrar uma maneira de que através da sociedade civil fosse possível disponibilizar livros para as pessoas, porque não podemos esperar que as pessoas leiam se não houver livros. Até mesmo porque

Onde o único lugar de acesso ao livro é uma sala de leitura, mas não falo de poucas. Existem áreas marginais que estão longe dos centros culturais e administrativos, onde há somente uma sala de leitura como espaço de acesso ao livro”. – Bespalova.

Para o chefe do Departamento de Fomento Literário e Promoção Editorial de Sedeculta (Secretaria de Cultura e das Artes), Jorge Cortés Ancona, afirmou que:

O papel que tem essa atividade não é apenas como lazer ou ócio criativo mas também como forma de comunicação e de convivência, pois nem sempre a leitura é um ato solitário já que é uma ação que se pode compartir frutuosamente”. – Ancona

Ancona disse ainda que a leitura é uma ferramenta para a sociedade poder desfrutar de uma convivência justa e pacífica e acredita na possibilidade de torná-lo uma ferramenta de redirecionamento da qualidade de vida de todos os cidadãos, independentemente da idade, etnia, gênero ou condição socioeconômica. Finalizou destacando que o encontro é importante para dar visibilidade ao trabalho feito pelos mediadores, o qual representa o maior ativo disponível para uma sociedade que é o capital humano: os nutridas nosso povo em sua expressão artística, livre nas suas manifestações culturais.

Fontes: 
http://www.informaciondelonuevo.com/2015/10/mediadores-de-salas-de-lectura.html
http://www.informador.com.mx/suplementos/2015/621535/6/destacan-poder-de-la-lectura-para-armonizar-y-hacer-mejores-personas.htm

Campanhas publicitárias que fomentam a leitura – parte II

Depois de Campanhas publicitárias que fomentam a leitura – parte I seguimos agora com outras novidades que merecem destaque.

Salve um livro, leia um livro.

Apelos para salvar os livros, porque todos os dias há mais e distintas ofertas mais elevadas para preencher nosso tempo de lazer. A agência desenvolveu uma campanha de impressão que ganhou o Prêmio Leão de Ouro em Imprensa no Cannes Film Festival. A campanha consiste em três páginas duplas: Moby Dick, Dom Quixote, O Pequeno Príncipe, três dos mais amplamente lido nos livros de história da humanidade.

Agência: Grey

Anunciante: Associação de Editores de Madri

Ano:2013

"Quando você passa tanto tempo na frente de um vídeo game, você mata não só os seus inimigos."

“Quando você passa tanto tempo na frente de um vídeo game, você mata não só os seus inimigos.”

"Quando você gasta tanto tempo jogando no seu celular, nem tudo o que destrói dá pontos".

“Quando você gasta tanto tempo jogando no seu celular, nem tudo o que destrói dá pontos”.

"Se você gasta muitas horas assistido a série mais vista da história, os protagonistas não serão a única coisa que você acaba perdendo".

“Se você gasta muitas horas assistido a série mais vista da história, os protagonistas não serão a única coisa que você acaba perdendo”.

Imagens originais no site da Agência. Disponível em: http://grey.com/spain/work/key/asociacion-editores2013/id/2507/

Um livro pode mudar a história de sua vida

Com essa campanha a agência asiática ilustra como “literalmente” um livro pode mudar sua vida. De que forma determinadas leituras podem possibilitar a mudança de direção em nossas vidas.

Agência: Y&R Beijing

Anunciante: Penguin Books, Inglaterra

Ano:2011

penguin1 penguin2 penguin3 penguin4 penguin5

 

Imagens originais no site: http://www.arq4design.com/tododesign/change-direction-adv-by-yr-beijing-agency-for-penguin-books/

 


 

Capturada em áudio

Em 2014, a mesma agência Y&R Beijing realizou uma nova campanha, desta vez para promover os audiolivros da Penguin, a campanha intitulada “Capturada em Áudio” que foi premiada na modalidade gráfica do Prêmio Clio Awards. 

penguin-book-grafica_014

As Aventuras de Sherlock Holmes, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_013

Frankenstein, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_008

Moby Dick, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_006

Alice no País das Maravilhas, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_004

Drácula, capturado em aúdio

penguin-book-grafica

Dia D – A invasão de Normandia, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_012

Dom Quixote de la Mancha, capturado em aúdio

penguin-book-grafica_015

Contos dos heróis gregos, capturado em aúdio

Lendo espero: bibliotecas em salões de beleza

 

lendo espero 2

 

Esta iniciativa oferece instalar pequenos dispositivos de leitura em salões de beleza na cidade de Buenos Aires. São mini bibliotecas de proximidade que buscam estar disponível na vizinhança e gerar um espaço de troca de livros uma vez que ali mesmo pode surgir a necessidade e a oportunidade da prática leitora. Os salões de beleza, barbearias é um lugar onde ocorrem encontros, vínculos e tradições.

O objetivo do projeto Leyendo espero é encontrar a possibilidade de leitura literária a partir da criação de pequenos espaços de troca dentro desses locais e cria um lugar íntimo que permite diminuir o tempo de espera e favorece  conversas em recomendar (ou não) a leitura de certos textos e compartilhá-los através do empréstimo domiciliar.

Esse projeto está organizado pelo Programa Bibliotecas para Armar que depende do Ministério da Cultura de Buenos Aires.

Na primeira etapa, estão participando 50 salões de beleza dividido de forma representativa em dois espaços por comunas (agrupamentos de bairros)* e por tipo de salão de beleza (infantil, para homens, para mulheres).

Comunas da Ciudad Autónoma de Buenos Aires

Os livros são adquiridos por doação principalmente pelas escolas e empresas e processados por uma equipe onde passa por um critério de seleção onde cada uma dessas bibliotecas possam ter livros diversificados para todos os públicos. O que varia é a quantidade de livros infantil que são maiores para os salões de beleza específico para esse público.

lendo espero

 *Buenos Aires está organizada em 15 comunas governados sob a Lei 1.777 promulgada em 2005. É uma maneira de gestão política e administrativa descentralizada , em alguns casos, envolvendo mais de um bairro.

Campanha de incentivo a leitura #50mais1

50mais1, Campanha de incentivo a leitura da FazINOVA Brasil

Assista ao vídeo da campanha e espalhe a leitura pelo Brasil. 

A FazINOVA acredita no poder dos livros de mudar vidas. E por isso resolvemos juntar todas as nossas forças, através dos inúmeros Embaixadores que temos pelo Brasil, para disseminar o hábito da leitura com a campanha “50mais1”.

Mais uma vez surpreendido e encantado com o trabalho de Bel Pesce, sim, ela mesma, a escritora do famoso livro A menina do vale. Uma jovem empreendedora brasileira que está sempre buscando estimular outros jovens a “fazer acontecer”, empreender e desenvolver habilidades e competências de modo responsável. É importante ressaltar o compromisso com o social porque a missão da empresa é muito clara e acredita que nosso país é o resultado da soma das ações de todos nós.

No Brasil, metade da população tem o hábito de ler. Cinquenta mais um desafia você, leitor, a compartilhar esse hábito emprestando um livro que você gosta para um amigo, e assim, trazendo cada vez mais pessoas para esse universo da leitura.

#Para participar é simples:

  • Tire uma foto com o livro que será compartilhado.
  • Diga qual amigo vai receber o livro.
  • Poste nas redes sociais com a #50mais1 indicando mais 3 amigos para continuar a corrente.

Para facilitar a postagem, a FazINOVA montou esse texto que pode ser copiado e compartilhado:

Fui desafiado a compartilhar um livro e incentivar a leitura no Brasil com a campanha #50mais1.
Um livro que me ensinou muita coisa foi “nome do livro” e eu vou emprestá-lo para a “nome do amigo” E desafiar meus amigos “amigo1”, “amigo2” e “amigo3” a também compartilhar um livro e desafiar outras pessoas.