10 idéias fáceis de uso do instagram para bibliotecários

Você precisará de um telefone com câmera e internet (claramente do aplicativo instagram, que é gratuito, instalado no telefone). As ideias aqui, na verdade se aplicam a todas as bibliotecas, mas direcionado para a biblioteca escolar, visto que sei da existência de colegas que atuam em biblioteca escolar  promovendo atividades tão legais, mas não procuram dar visibilidade às mesmas, isto é triste porque poderiam seguir estimulando e motivando muitos outros tantos profissionais ao divulgar o trabalho na rede mundial de computadores.

Explore sua criatividade e habilidades para fazer gráficos, escrever textos, tirar fotografias. Se esforcem para fazer um trabalho legal. Bibliotecários podem fazer qualquer coisa quando se dedicam a isso!

 Cada post do Instagram pode ser postado na conta do Twitter, Facebook, Flickr, Tumblr, caso a biblioteca também tenha conta/ perfil nessas ferramentas.

bookselfie-flickr

Mas qual será o foco das minhas postagens?

Calma, aqui estão algumas sugestões do que pode ser postado. Lembre-se que seu foco será na grande maioria das vezes as temáticas: biblioteca, livro e informação. Seguem:

  • Mostrar as novas aquisições da biblioteca;
  • Fotos de exposições e atividades que a biblioteca organiza ou participa.
  • Divulgar livros mais lidos ou mais procurados;
  • Promoção projetos  –  Tem uma ótima história para contar? Quer divulgar um evento? Tem algo inovador na biblioteca? Uma área de Makerspace? Que tal um encontro com o escritor? Promova ou compartilhar esse programa usando o Instagram. Os eventos se tornam motivo de diversão desde o momento de divulgação.

Makerspace é um espaço comunitário equipado com ferramentas para a criação de projetos e trabalhos. Estes espaços para além de disponibilizarem o acesso a tecnologias e ferramentas, potenciam também a partilha de conhecimento e criação de sinergias, com foco na criatividade e inovação. 

Por fim, conforme prometido, aqui estão as 10 ideias:

Basicamente, a chave do sucesso estará no uso de # (hashtags), isto pode parecer óbvio, mas não custa nada repetir. Vamos lá, algumas dicas que poderão ajudá-l@s na hora de criar uma nova conta  para sua biblioteca: 

  1. Mini visita virtual da sua biblioteca e seus recursos. Seja criativo, faça os vídeos curtos de até 60 segundos. Para ficar mais interessante, adicione música, use ângulos interessantes e mostre a sinalização ou sobreponha textos.
  2.  Vídeos –  utilize o aplicativo Flipagram é um ótimo aplicativo de edição de vídeo que permite que você inclua desenhos animados, texto sobrepostos, adesivos e músicas populares e
  3. Promoção do livro – Publique videos de até 60 segundos, você pode facilmente criar promoções de livros atraentes ou mini-anúncios de livros usando o Instagram. Considere o tema, a configuração ou os caracteres de um livro e crie um quadro para uma sessão de fotos. As promoções de livros de vídeo podem ser encenadas como mini-comerciais, trailers ou como palestras de livros. Considere levar alguns livros favoritos em uma viagem e faça fotos deles fora da biblioteca.
  4. Exibição interativa – Use um canto da biblioteca e deixe post-it .Faça com que os pequenos escrevam uma nota rápida sobre o que eles gostaram sobre o livro e coloquem para que outras crianças o leiam. Poste no Instagram uma foto dessa nota para a posteridade e para que outros pequenos digitais possam vê-la.
  5. Capture a leitura – Tire uma foto dos usuários e pergunte se está tudo bem postar no Instagram. OU, peça para pousarem.  Capture momentos de leitura por prazer, ou relaxamento.
  6. #shelfies (prateleiras/estante) – Como uma selfie, mas com um livro. Peça aos usuários que  segurem o livro que acabaram de emprestar ou que estão devolvendo a biblioteca, eles são chamados de shelfies. Certamente se o seu público é de adolescentes a maioria vai  adorar exibir o livro mais recente e até mesmo querer ser marcado na foto! 
  7. #bookface – capas de livros que apresentam rostos ou parte de rostos, ou costas, ou pernas, ou braços são ótimos para segurar e levar para o que agora é chamado de uma imagem #BookFace. Mistura parte do corpo da pessoa com a arte da capa.
  8. #livrosdevolvidos – Empilhe os livros mais populares que foram devolvidos no dia e tire uma foto, sugerindo-os como leitura para os seguidores.
  9. Concursos – Realize um concurso com a comunidade! Dá uma oportunidade para as pessoas entrarem em contato, responderem a perguntas e interagirem com a biblioteca.
  10. #tbt  – Tbt significa throwback thursday, ou quinta-feira do retorno/regresso. Semanalmente você pode postar fotos de anos anteriores, seja das ações ou fatos interessantes da biblioteca.

 

 

 

Leia estas orientações para tirar as fotografias e evitar possíveis repercussões negativas

Este tema pode parecer um pouco complexo demais, mas não conhecê-lo pode acarretar em problemas sérios para sua fotografia. Com o crescimento da internet fica muito fácil cometer algum deslize jurídico mesmo sem esta intenção, o que pode custar muito caro para sua carreira e bolso.

  • Entre direitos e deveres do fotógrafo e do indivíduo capturado nas imagens, vale ressaltar a importância da leitura.
  • Como sempre, o dialogo é a melhor saída para evitar desentendimentos e brigas judiciais sérias e não custa nada informar-se mais a fundo sobre este tema e garantir seus direitos e deveres, não é mesmo?
  • Quando o  seu público de usuários for crianças ou menores de idade, informe aos pais que trata-se de uma fotografia ou um projeto da biblioteca e a peça autorização para utilização da imagem  e esclareça as formas e locais de exposição, distribuição.

 

Deixe o seu comentário sobre este artigo ou esclareça mais alguns pontos sobre direitos autorais e de imagem no campo de comentários abaixo. Será incrível ter a sua contribuição para enriquecer ainda mais este conteúdo.

 


Política de comentários:

  1. Seja respeitoso e não ataque o autor, as pessoas mencionadas no artigo ou outros comentaristas. Aceite a ideia, não o mensageiro.
  2. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar.
  3. Foque na questão. Os comentários que se desviarem do tópico em questão podem ser excluídos.
Anúncios

Cover Art Archive: um imenso arquivo on-line de capas de discos

Internet Archive Cover Art 01

O projeto Cover Art Archive visa disponibilizar imagens de capas de álbuns e singles ao público “de uma forma organizada e conveniente”. Iniciativa do site de metadados de música MusicBrainz e o arquivo de conteúdo online Internet Archive.

Acesso em: https://archive.org/details/coverartarchive&tab=collection

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo

Conheça as melhores práticas de museus e exposições virtuais

O projeto Unplace pretende discutir o conceito de “museografia intangível”, no campo das exposições de arte contemporânea, especificamente produzidas para contextos virtuais e em rede.

Conscientes que o  fenômeno de mediatização e globalização alterou uma série de paradigmas nas instituições museológicas, enquanto atrações turísticas e lugares de dinamização urbana e cultural ao longo das últimas duas décadas, fazendo emergir projetos de museus e exposições virtuais, sediados na Internet – tendo o ciberespaço como lugar para pensar o design das exposições, de curadoria, trazendo portanto discussões sobre Arte Digital ou a Internet Art.

Nesse sentido temos as principais plataformas colaborativas internacionais, como o Google Art Project ou, o MatrizNet (catálogo coletivo on-line de 34 museus da Rede Portuguesa de Museus), seguem também essa via, situando-se assim claramente no domínio da simulação do preexistente, potenciado pela diversidade e pelo cruzamento de patrimônios com múltiplas localizações. Esse detalhe que realmente me chama a tenção: a possibilidade de descobrir conexões entre obras de arte. 

Para entender mais sobre o projeto Museu sem lugar acesse a página de publicações AQUI e faça o download do e-book MUSEUS SEM LUGAR: ensaios, manifestos e diálogos em rede e outros.

Aqui no Brasil, sei que os Museus do Futebol, da Casa Brasileira (até o momento não consegui visualizar as exposições virtuais) e o Afro Brasil, todos instituições do Governo do Estado de São Paulo, integraram recentemente o projeto mundial da Google Arts & Culture ‘We Wear Culture’ junto com mais de 180 museus em São Paulo, Nova York, Londres, Paris, Tóquio, Berlim e outras cidades ao redor do mundo.

É importante reconhecermos que a relação entre artistas e visitantes de museu se transforma com as tecnologias disponíveis. Inclusive há comunidades de artistas que se dedicam ao espaço virtual, seja produzindo obras para serem disponibilizadas na web ou ainda fazendo a curadoria de materiais nesse ambiente. O padrão de comportamento é construído coletivamente mas lembrem-se: as possibilidades são convergentes e não restritivas.

Quero destacar que uma não substitui a outra e há questões de preferências. Para os apaixonados por arte pode ser  vantajoso e realmente pode ser um público que quer mergulhar na observação sem sair de casa, é possível realizar diversas experiências virtuais 360º e aproximar a imagem em alta resolução. De outro lado há  os espectadores que preferem visitar os locais por acreditarem na interação e na vivência simbólica que transmite a narrativa histórica do lugar, seja: a cidade, o bairro, os edifícios e o entorno do museu; esses realmente querem a experimentação direta com o objeto  museológico.

Seguindo essa linha, escolhi opções para visitas de exposições virtuais:

  • Afro Brasil Dividido por meio de Núcleos temáticos, o acervo procura abranger aspectos da arte, da religião afro-brasileira, do catolicismo popular, do trabalho, da escravidão, das festas populares, registrando assim, a trajetória histórica, artística e as importantes influências africanas na construção da sociedade brasileira.

Captura de Tela (47).png

  • Museu do Futebol Mais do que sobre esporte, o Museu do Futebol é, antes de tudo, um museu sobre a história do povo brasileiro. Um museu cercado pelos mistérios da euforia que todos temos pela bola, pelo drible e pelo gol. Um mistério que unifica e separa como as grandes paixões coletivas, onde as alegrias são sempre maiores que as tristezas.  Entre no feitiço de como um esporte inglês, branco e de elite, aos poucos ganhou novos traços: tornou-se brasileiro, popular, mestiço e uma das mais reconhecidas manifestações culturais do nosso país.

Captura de Tela (48).png

  • Exposições virtuais do Arquivo Nacional é uma iniciativa da instituição para difundir seu acervo, compreendido entre o século XVI aos nossos dias, fundamental para o princípio democrático de acesso à informação pública e para a pesquisa em inúmeros campos do conhecimento.

Captura de Tela (45)

  • O projeto Era Virtual foi e continua sendo resultado da percepção de que nesta nova era da tecnologia das informações é essencial inovar, rever e reconstruir o modo de promover a cultura. Ao perceber o potencial de das visitas virtuais em promover as instituições beneficiadas, em 2013, decidimos desenvolver o projeto também para os parques nacionais e para as cidades com sítios considerados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Navegue e descubra o nosso Brasil.

Captura de Tela (44)

  • Museu Evita (Argentina) O Museu Evita é um importante passeio para quem quer aprender mais sobre a história argentina e entender essa paixão do povo por Eva Perón, mulher tão marcante para o país. Hoje o local é um dos principais atrativos turísticos da cidade. Percorra toda a trajetória da grande heroína da Argentina, o museu traz fotos, roupas e documentos que fizeram parte da vida de Evita. O museu fica em um grande casarão em Palermo e é um dos passeios mais recomendados. 

museuevita-tourvirtual

Captura de Tela (46)

Você já fez alguma visita virtual incrível em algum museu não listado aqui? Comente aqui qual foi, também gostaria de conhecer.

 

19 tendências futurísticas em bibliotecas e serviços bibliotecários segundo a ALA

Enquanto leio discursos sobre a importância da leitura do livro e das bibliotecas, sei que por outro lado, no mundo real, há falta de orçamentos e o esquecimento do lugar que deveria ser essencial nas escolas. Mas não é para desanimar, esse futuro não está longe. É hora de reinventar-se!

Pensando nisso a ALA (American Library Association), através de seu Centro para o Futuro das Bibliotecas, está trabalhando para identificar novas tendências relacionadas com as bibliotecas e as comunidades a que servem. Tal medida busca promover técnicas de inovação que favoreçam os bibliotecários e construir parcerias com expertos e inovadores que ajudem as bibliotecas em questões emergentes.

#Organização e Classificação de Tendências

As tendências estão organizadas em sete categorias – Sociedade, Tecnologia, Educação, Meio Ambiente, Política e Governo, Economia e Demografia.

#Quantas oportunidades de futuro restam as bibliotecas?

19 Tendências em bibliotecas segundo ALA

1) Envelhecimento da sociedade

Os adultos podem continuar a trabalhar idades de aposentadoria tradicionais passadas.Para bibliotecas, isso pode significar uma mudança no perfil de seus usuários, especialmente em bibliotecas universitárias, médicas e especiais, e no perfil dos bibliotecários e profissionais de biblioteca. Presume-se  uma demanda por atividades de lazer para preencher o tempo dos adultos mais velhos.

2) Anonimato 

As bibliotecas e os bibliotecários podem preencher uma necessidade crescente de diálogo aberto e informações respeitáveis. Para alguns usuários, o anonimato proporciona oportunidades de discussão mais profunda e revelação pessoal. A mídia social fornece uma plataforma para partilhar informações amplamente com os amigos, familiares e público. No entanto, muitos dos aplicativos mais populares, nomeadamente Facebook, Twitter e Google, liga as comunicações para um perfil individual autenticado e  são rastreáveis.  

3) Impacto coletivo

As bibliotecas e bibliotecários são considerados colaboradores chave em projetos sociais, como a alfabetização. Portanto, devem alinhar-se com grandes organizações ou governo para esse tipo de tema.

4) Aprendizagem conectada

Estimular a exploração e interação com os recursos que para envolvam os estudante sobre benefícios fundamentais  das bibliotecas. Os estudantes poderão lograr melhores resultados quando se sentem apoiados e reforçados em outros cenários que não seja simplesmente a sala de aula e a escola.

5) Dados em todas as partes

As bibliotecas podem encontrar oportunidades de utilizar os dados para seus próprios fins ou para compartilhar com empresas, governos ou outras organizações ainda que este cenário possam trazer problemas com a privacidade dos usuários.  De igual maneira, se utilizados com inteligência, poderão ser utilizados para desenvolver, criar e promover conteúdo.  

6) Nativos digitais

 As bibliotecas e bibliotecários devem estar preparados para adaptar serviços e programas segundo as necessidades desta tipologia de usuários.  

7) Drones

Poderiam ajudar  para melhorar o acesso a Internet em zonas desatendidas, melhorar esforços de divulgação , entrega de recursos e ainda conectar pessoas por vídeo. Também são muito questionados pelos temas que envolvem a privacidade e há alguns problemas na segurança. 

8) Os “jovens adultos

As bibliotecas e  bibliotecários também tem que olhar com atenção a esse grupo de usuários que saem da adolescência mas que não necessariamente tem que ser considerado já como adultos.  

9) “Fast casual

É igual aos serviços de comida rápida, as bibliotecas devem aproveitar esse nicho para criar espaços mais ativos e sociais, mais que decoração (que pode ser um plus), é interessante desenvolver serviços que criem boas experiências e que faça ter um sentido de pertinência que toda organização busca (ou deveria buscar).

10) Aprendizagem agregada

Ofertar serviços extras a estudantes através de recursos na própria biblioteca. Recursos como oficinas, conversas informativas,  sessões de ensino, videoconferências, vídeos, etc. 

11) Gamificação

As bibliotecas, como espaços reconhecidos de aprendizagem, podem impulsar o acesso a informação por meio da aprendizagem e o descobrimento através de pequenos jogos ou instruções a fim de motivar os usuários. Estimular aprendizagem e descoberta promovida por jogos. Utilizar a biblioteca como espaço de reunião, ajudando a melhorar as habilidades sociais dos jogadores, incentivar a jogar juntos em pequenos ou grandes grupos. E principalmente: construir consciência, fazer perguntas, e processar o que está sendo aprendido através da brincadeira.

12) Internet das coisas

Os dados coletados podem ser utilizados por investigadores para identificar tendências ou padrões na sociedade de que não seria possível de outro modo.

13) Movimento maker: faça você mesmo

As bibliotecas proporcionam acesso a materiais criados por outros, agora é a hora de adotar novas funcionalidades proporcionando às comunidades a oportunidade de criar conteúdos na própria biblioteca e que poderão ser inseridas na coleção.

14) Mudança de privacidade 

Os usuários das bibliotecas necessitarão ajuda a respeito dos temas de sua privacidade pessoal de sua privacidade pessoal. O ideal é encontrar um ponto médio entre compartilhar informação e conservar a privacidade.  

15) Resilência

As bibliotecas podem ter que adaptar suas instalações, serviços e programas para demonstrar uma estratégia flexível. Sobretudo, os profissionais podem ser sócios ideais em apoiar as pessoas a adotarem práticas flexíveis em suas comunidades. 

16) Robôs

A crescente introdução a robôs nos postos de trabalho faz que haja um deslocamento nos postos laborais das pessoas. As bibliotecas devem ter um papel importante no desenvolvimento de novas habilidades para esse tipo de trabalhadores e melhorar as habilidades para que os trabalhadores possam fazer a transição a novas funções e assumir outras responsabilidades em ambientes onde os robôs assumem uma parte significativa do fluxo de trabalho. 

17) Economia compartilhada ou colaborativa

As bibliotecas tem que seguir sendo líderes em por a disposição de seus usuários recursos e espaços livres. Necessitam mudar e se adaptar para manter a satisfação de seus usuários.  Podem ter a oportunidade de se alinhar com o intercambio de serviços que promovam o bem social.

18) Desconexão

As bibliotecas tem que seguir sendo espaços para seus usuários. Buscar tranquilidade, desconexão, concentração e reflexão de alguns usuários.  Portanto, pensar em espaços múltiplos e para fins diversos, mas não esquecer dos típicos usuários que precisam de silêncio ou mesmo os que queiram “zonas livres de dispositivo” para realizar uma  desintoxicação digital.

19) Urbanização

As bibliotecas das grandes cidades tem que estar preparadas para assumir um papel importante no desenvolvimento econômico e para enfrentar desafios de aumento de demanda por qualquer razão, podendo ser uma delas, o desemprego da população. É importante adaptar-se as necessidades da cidade.

Fonte original:
Trends“, American Library Association, Agosto 8, 2014.
http://www.ala.org/transforminglibraries/future/trends (Acesso em: 5 de Maio, 2015)

10 idiomas mais presentes na internet e a sociedade da informação

Recentemente em discussão sobre a produção de conteúdos em língua portuguesa, comentamos que esta língua já figura como a quinta mais presente na Web. Mesmo que que a língua inglesa tenha um uso mais comum na produção de conteúdos publicitários ou acadêmicos disponibilizados o português vem ganhando espaço, sobretudo, devido ao crescimento da utilização da Internet em países como o Brasil, Angola e Moçambique.

Pensando nisso, fui em busca de mais informações. De acordo com pesquisa subsidiada pelo Internet World Stats no ano de 2014, podemos observar as últimas estimativas para usuários de Internet por língua:

idiomas na internet 2014

 

Brasil domina o mercado de Internet da América Latina em termos de número de usuários.

Em nível global o Brasil se posiciona em quarto lugar, ficando atrás de China, Estados Unidos e Índia, respectivamente.

Em termos de penetração, que ocupa aproximadamente o terceiro lugar, atrás de Uruguai e Chile e ligeiramente à frente da Argentina.

Brasil é o país onde mais de um terço de todos os usuários de celulares na América Latina e no Caribe.

número de usuários na internet américa do sul

Com as possibilidades diversas da forma de pagamento, a classe média do país está se tornando um consumidor cada vez mais desejoso de computadores e  smartphones.

Segundo informações divulgadas na Pesquisa de Mídia Brasileira 2015, divulgadas em 19/12/2014 pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, os brasileiros já passam mais tempo navegando na internet do que na frente da TV.

gasto de tempo na internet

Brasileiros gastam em tempo médio conectados à internet :

  • 4  horas e 59 minutos por dia usando a internet durante a semana.
  • 4 horas e 24 minutos/dia nos fins de semana.
  • 76% acessam a rede todos os dias.
  • O pico de uso é às 20h, tanto nos dias úteis quanto nos fins de semana.
  • Jovens com até 25 anos, 63% acessam a internet todos os dias.
  • Adultos com 65 anos ou mais, o percentual de acesso cai para 4%.
  • 8% estudaram até a 4ª série acessam a internet pelo menos uma vez por semana.
  • Aumenta para 87% o acesso a internet entre os que têm ensino superior.
  • Entre os internautas, 92% estão conectados por meio de redes sociais, sendo as mais utilizadas o Facebook (83%), o Whatsapp (58%) e o Youtube (17%), Instagram (12%) e Google+ (8%). O Twitter, foi mencionado por apenas 5% dos entrevistados.

Esse post realmente me chama atenção como profissional da informação e é entender os fatos existentes atrás dos números. É preciso analisar sobre o que as pessoas acessam na rede, se sabem buscar informações e mais que isso: sabem como tirar proveito do que existe de bom na rede, separar informações relevantes das não relevantes.

Embora a pesquisa e a observação empírica permita afirmar que  67% acessam a rede em busca de informações ou notícias, mesmo percentual dos que dizem entrar na internet para buscar entretenimento (pergunta de múltiplas respostas).

Democratizar o acesso não significa o mesmo que incluir a todos, logo, não podemos seguir estimulando um discurso que não é retrata a realidade de que todos ou grande parte possuem acesso e sim perceber se sabem utilizar as ferramentas disponíveis e se o governo contribuiu fomentando projetos de promoção a cidadania e coesão social.

Existe um mundo de possibilidades com a web e pode ser explorada de forma pedagógica para dar suporte a educação, formal continuada ou a distância. Mesmo porque não podemos pensar apenas nos nativos digitais pois há que considerar a existência de pessoas que precisam ser alfabetizadas, capacitadas para então conseguirem ser inseridas na tal sociedade da informação*.


*Sociedade da Informação é a nomenclatura dada para os programas nacionais voltados às Tecnologias da Informação e Comunicação como forma de garantir sua utilização e distribuição para toda a população, para assegurar que as TIC não sejam mais um fator de exclusão social. O termo nasce em Portugal em meados da década de 1990 e vai ganhando força em todo o mundo. No Brasil, o projeto é finalizado entre 1999 e 2000. Em alguns países, o mesmo programa pode ser encontrado como “Sociedade do Conhecimento”.

Materiais relacionados:

 


Fontes consultadas:

http://www.budde.com.au/Research/Brazil-Mobile-Operators-Insights-and-Analysis.html
http://www.budde.com.au/Research/Brazil-Mobile-Market-Insights-Statistics-and-Forecasts.html
http://www.internetworldstats.com/sa/br.htm
http://www.internetworldstats.com/stats15.htm
http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2014-12/brasileiro-passa-mais-tempo-na-internet-que-vendo-tv
SANTOS, Plácida L.V.A; CARVALHO, Angela M. G. Sociedade da Informação: avanços e retrocessos no acesso e no uso da informação Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v.19, n.1, p. 45-55, jan./abr. 2009. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/1782/2687&gt;.