Servindo imigrantes e refugiados em Bibliotecas Públicas: a marca da ausência

 

 

Mudar de país não é uma tarefa fácil. O processo de imigração é economicamente importante ou nem tanto como tem ocorrido com a recepção dos imigrantes venezuelanos nos Estados de Roraima e Amazonas. O choque de culturas distintas, pode ocasionar atritos.
 

O processo migratório dos venezuelanos possui uma característica particular motivada pela crise política, econômica e social permeia aquele país neste momento. Fazendo que muitos venezuelanos iniciem o êxodo imigratório para outros países em busca de melhor qualidade de vida para suas famílias.

Emerge a necessidade de serviços para os imigrantes , tanto para o trabalho tradicional de bibliotecas – desenvolvimento de coleções em vários idiomas e aulas de português – quanto para serviços que enfocam direitos civis, engajamento cívico e justiça social. A biblioteca pode sim oferecer um espaço seguro e não político para ajudar imigrantes e refugiados a descobrir a melhor forma de se integrar ao Brasil.



Project Welcome (Projeto Bem-vindo) desenvolvido pela Mortenson Center for International Library Programs (Centro Mortenson para Programas de Bibliotecas Internacionais )


De imediato, eles precisam de alguém que fale sua língua quando eles mais precisam de ajuda. A biblioteca pública pode apoiar a organização de uma comunidade que está sendo construída no Estado quanto a geração de recursos. Uma metodologia que achei bem interessante de ser replicada é o Project Welcome (Projeto Bem-vindo) desenvolvido pela Mortenson Center for International Library Programs (Centro Mortenson para Programas de Bibliotecas Internacionais )em parceria com a American Library Association (ALA), para ajudar as bibliotecas que desejam fornecer programas e serviços para imigrantes que vivem em comunidades dos Estados Unidos para atender às necessidades de informação dos refugiados e requerentes de asilo, a fim de apoiá-los e capacitá-los em seu processo de reassentamento e integração.

 

Parceiros e atividades

As organizações sem fins lucrativos e agências municipais para oferecer serviços e responder a perguntas sobre tudo, desde moradia até redação do currículo.

A maioria dos serviços identificados em Bibliotecas que oferecem este tipo de serviço compreende em ajudar pessoas a preencher formulários, mas também oferecem informações sobre direitos à moradia e apoio na abertura de pequenas empreendimentos.

Passo a passo

1. Conhecer os dados demográficos

Quem e quantos são os imigrantes e refugiados em sua comunidade? Em que região estão vivendo?

2. Encontre parceiros internos e externos

Parcerias ajudam a trazer serviços para que sua equipe não precise fornecer tudo.

Estamos conscientes de que em muitos casos faltam espaços para acervos de livros e mesmo há a ausência de bibliotecários. E algumas outras vezes temos os recursos e os subutilizamos.

Apoio para venezuelanos em Manaus

Apesar de não ser uma biblioteca atuando como protagonista é bom saber que em meados de dezembro de 2018 foi inaugurado um Centro de Apoio e Referência a Refugiados e Migrantes (CARE), promovido pela ADRA Brasil Regional Amazonas em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA), a União Europeia e a Prefeitura de Manaus.

Inicialmente são oferecidos serviços de ligações internacionais gratuitas, agendamento para a solicitação de refúgio, atendimentos jurídicos, assistência social, aulas de português e acesso gratuito à internet.

Projeto CARE (Centro de Apoio e Referência a Refugiados e Migrantes)-  Núcleo de Desenvolvimento de Manaus, Av. Maués, n. 120 – Cachoeirinha.

Contato
Fernando Borges – comunicacao.am@adra.org.br +55 92 99329-0087