A neutralidade bilbiotecária

Há alguns dias recebi em uma lista de discussão profissional um tema para debater que sempre era levantado em sala de aula por uma colega durante o mestrado e me chamava bastante atenção o “não medo” dos colegas argentinos posicionar-se e defender o que acreditam dentro dos seus espaços de trabalho. Me pareceu bastante oportuno compartilhar algumas reflexões com vocês.

neutrality.jpg

Não é novidade que a formação superior de bibliotecários, na maioria das nossas universidades, enfatiza o uso da tecnologia da informação e comunicação, dando um forte aspecto técnico fazer laboral.

Assim, ao entrar no mercado de trabalho, reproduzem a escola de formação e, portanto, olham com desconfiança e com desdém marcante e total desinteresse pela “política” em geral, e mais receio ainda com a “política progressista” o que é um tanto engraçado uma vez que ela se aproxima fortemente para a análise da realidade social dos povos.

Aprendemos um discurso da neutralidade mas vale ressaltar que isso não é o mesmo que deixar de defender e posicionar-se frente a algo que você acredita e se opor quando vê que algo está errado de acordo a nossa ética profissional. Para ilustrar a ideia, cito Morillo Calero (2008: 15-16)[1]:

Em vez de ser neutro, o que qualquer profissional deveria pretender é ser independente e reflexivo. […] Ao contrário do que se poderia pensar, a suposta neutralidade já é uma decisão de postura fundamentalmente política frente a realidade social em que nos movemos, mas não quer ser reconhecido como tal.

Parece-me que as vezes, é mais fácil ocultar ou omitir comportamentos ou atitudes talvez para não assumir a responsabilidade por determinado fato. Então questiono: Onde está a nossa biblioteconomia socialmente responsável?

Talvez ela esteja ficando conformada mais na literatura que nas ações propriamente ditas. Muitas vezes ignoramos questões de responsabilidade e compromisso social dos bibliotecários, parecendo algo acessório da profissão. Alguns entendem que não é necessário, afinal de contas, é mais prático e mais pomposo deixar de ser bibliotecário, envaidecer-nos com as tecnologias e então nos transformaremos em gestores da informação[2].

A modo de conclusão ou ainda como um espaço de abertura para novos posicionamentos, desejo realmente que não reduzamos nossas atividades à execução de processos técnicos e sejamos capazes de atuarmos de modo reflexivo, crítico e analítico para argumentar e que isso possa ajudar em nossas articulações que não deixam de ser políticas.

Fontes e dicas de leitura:
[1] Hacía una biblioteconomía responsable socialmente. Texto completo disponível em : http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/2663.
[2]  El rol social del profesional de la información: un punto de vista desde Argentina. Texto completo disponível em : http://www.abecin.org.br/revista/index.php/rebecin/article/view/28/pdf_16.
Anúncios