Estudantes criam marcadores de livros com temática multicultural

Estudantes criam marcadores de livros com temática multicultural para as bibliotecas públicas do Condado de Montgomery (Estado Maryland, nos Estados Unidos).

Estudantes do ensino médio foram convidados a usar arte para expressar como eles se sentem sobre comunidade e cultura em Montgomery. Dezenas de estudantes reuniram-se no parlamento provisório de bibliotecas públicas do condado de Montgomery, quinta-feira (22/06/2017) para estrear a divulgação de suas novas obras que serão exibidas nas bibliotecas.

Ao total, 24 alunos tiveram a oportunidade única de criar marcadores que não só promovem a alfabetização, mas também as diversas culturas da comunidade por meio do “Multicultural Bookmarks Project“.  A parte de trás de cada marcador mostra os recursos disponíveis nas bibliotecas da cidade.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Crédito das imagens: http://www.mymcmedia.org/students-design-multicultural-bookmarks-for-montgomery-county-public-libraries/

 

Os marcadores foram impressos e distribuídos para todos os departamentos das bibliotecas públicas da cidade @MCPL. Cada aluno pode ilustrar com uma citação sobre livros, leituras ou bibliotecas. Alguns alunos vieram com suas próprias citações, enquanto outros escolheram citações de escritores famosos. Vários dos marcadores são bilíngues: em espanhol e inglês, bem como chinês, hebraico, hindi, tagalo e nepalês. Um ponto interessante que destaca realmente a função da inclusão multicultural e a bibliodiversidade.

O Projeto foi apoiado pelo Conselho de Artes e Humanidades do Condado de Montgomery, Amigos da Biblioteca, Art4Moore, Associação de Arte de Montgomery e Artivate.

“Eu projetei um marcador multicultural que é baseado em um balão de ar quente acima do mundo, que é representado como você é livre para explorar”

Katelyn Hinkel, estudante da nona série da Wheaton High School.

Clique aqui e veja o vídeo do projeto.

Divulgo a atividade para que possa servir de inspiração aos colegas.

Boas práticas devem ser disseminadas e replicadas, sempre.

Coisas que ninguém nunca contou a você sobre como o design pode melhorar a sua cidade

flyer-conferencia-cmd-para-bases-01

Tive a honra de participar da IX Edição da Conferência CMD: Design e Cidade durante o Festival Internacional de Design aqui em Buenos Aires. Foi uma experiência estética super interessante onde pude conhecer coisas diversas e começar a aprofundar conhecimentos em áreas que pretendo iniciar pesquisas em breve.

Normalmente vemos as cidades de cima por seus planos e mapas mas devemos explorá-las a partir de sua relação entre os serviços e as pessoas. Nota-se uma forte tendência no design emergente em no que denominam “Design Social” onde os valores são orientados ao desenvolvimento, sustentabilidade e altruísmo. E que dessa forma se expande pela capacidade de se aplicar a todo o mix de dimensões culturais que na verdade são construções sociais.

retrato Ezio ManziniSegundo Ezio Manzini (Florencia, Italia), que é atualmente  um dos maiores impulsionadores da mudança sustentável, as cidades são complexos ecossistemas que podem se enriquecer ou empobrecer-se. Quanto mais rico é o ecossistema, mais resiliente é a cidade e vice-versa. Portanto, a resiliência de uma cidade depende majoritariamente da existência de um complexo entramado de comunidades, enraizadas e conectadas horizontalmente (entre elas) e verticalmente (com organizações maiores e instituições públicas).

Mostrou exemplos de projetos práticos na Itália como o Social Street que reforçam a hipótese de que em tempos turbulentos o design pode e deve desempenhar um papel importante em permitir que isso aconteça (co-produzindo condições favoráveis para o surgimento e desenvolvimento comunidades, conectando e criando sistemas mais resilientes, contribuindo de modo significativos para otimizar os resultados), indicando novos rumos para continuar trabalhando.

retrato Leticia CastroTivemos espaço para o Brasil mostrar a que veio. Quem nos representou foi Letícia Castro, diretora executiva do Centro Brasil Design. Fez bonito e mostrou que quando o assunto é competitividade, estamos em constante expansão mesmo com a crise. Embora o design seja  percebido pelos decisores políticos como uma ferramenta para a inovação e a competitividade, a sua aplicação ainda é informal.

Recentemente, ele levou uma importante fazer o diagnóstico do design brasileiro, com o objetivo de ampliar a compreensão desta área e fornecer possíveis maneiras de fortalecer o setor e promover políticas públicas passo design.

Entre as capitais de estados brasileiros Curitiba, que recentemente se tornou parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO (junto com Berlim, Bilbao, Buenos Aires, Helsinki, Turim, Montreal, Nagoya, Pequim, Saint-Etienne, Seoul, Xangai e Shengzen), percebendo a importância do design como uma ferramenta para melhorar a qualidade de vida e estimular o desenvolvimento econômico, social, cultural e ambiental da cidade, e a posição como capital do design brasileiro.

Mostrou uma série de produtos e designers brasileiros que são destaques no último ano e deixou a plateia emocianda e contagiada ao mostrar o case da Melissa One by One.

Esse produto recebeu o prêmio alemão iF DESIGN AWARD 2015. Trata-se de uma proposta de resignificar o calçado, já que um único pé pode ser usado em ambos os pés, o que faz com que a peça seja vendida separadamente. Detalhe: o diretor de Design e Ativista Criativo Melissa, Edson Matsuo, recebeu diversos emails de pessoas que possuem apenas um pé e agora não mais se sentem obrigadas em comprar um par de sapatos. Diga lá se não foi uma boa sacada?!