Peer mentoring: entenda o que é e descubra como isso está funcionando entre os bibliotecários.

business-mentor-benefits-660x495.jpg

Peer mentoring, normalmente, significa a orientação e o convívio de alguém que já passou por alguma experiência específica com alguém que é completamente novo em relação à mesma experiência.

Podendo ser ainda interpretado como “aconselhamento aos pares” ou “aconselhamento de colegas” já vinha sido aplicado no ambiente das universidades estrangeiras a certo tempo.  Para que este programa funcione, as instituições contam com o trabalho voluntário de outros estudantes veteranos (no segundo ano de curso ou mais) para trabalhar como “mentores” de calouros, estudantes que acabaram de chegar ao país e começar os estudos.

Benefícios de ser um mentee

  • Ganha conselhos práticos, incentivo e apoio
  • Aprende com as experiências dos outros
  • Torne-se mais capacitado para tomar decisões assertivas
  • Desenvolve suas habilidades de  comunicação
  • Desenvolver estratégias para lidar com ambas as questões pessoais, acadêmicas e laborais
  • Identifica objetivos e estabelecer um senso de direção
  • Obtêm informações valiosas
  • Aumenta a rede de contatos e faz novos amigos

Benefícios de ser um mentor

  • Melhora a comunicação e habilidades pessoais
  • Desenvolve qualidades de liderança e de gestão
  • Reforça as suas próprias habilidades de estudo e conhecimento do seu assunto (s)
  • Aumenta a sua confiança e motivação
  • Envolve-se em uma oportunidade de voluntariado,  que pode ser valorizada pelos empregadores
  • Aumenta a rede de contatos e faz novos amigos
  • Obtêm o reconhecimento de suas habilidades e experiências profissionais
  • Beneficia-se de um sentimento de satisfação e crescimento pessoal

Peer mentoring para bibliotecários

International Librarians Network  (INL) é uma espécie de peer mentoring entre bibliotecários que organiza o contato  entre bibliotecários de diferentes partes do mundo a partir das experiência  nesta iniciativa de formação entre pares. 

No último dia 02/03/2016 tivemos uma conferência virtual organizada por SocialBiblio e presentada por María García-Puente Sánchez da Espanha onde apresentou o projeto e esclareceu sobre possíveis dúvidas. 

Quem pode participar?

Bibliotecários que possuam habilidades mínimas de redação em língua inglesa isso porque haverá troca de emails, whatsapp, etc. embora seja bem interessante que se pudesse conversar por skype. Existe a possibilidade de que haja acordo entre ambos em definir um idioma padrão para a comunicação. Ou seja, se houver um mentor que se expresse em português, pode ser uma oportunidade.

Qual o tempo de dedicação?

4 meses a total. Ideal dedicação de 1 a duas horas a cada duas semanas mas que fica acordado a melhor forma entre as partes.

Algumas outras questões frequentes são encontradas  aqui.

Pense que isso pode resultar em uma experiência muito enriquecedora e ter um impacto positivo sobre o sucesso profissional. Eu já demonstrei interesse para a próxima rodada, e você porque não faz o mesmo? Preencha esse formulário aqui.

Anúncios

A neutralidade bilbiotecária

Há alguns dias recebi em uma lista de discussão profissional um tema para debater que sempre era levantado em sala de aula por uma colega durante o mestrado e me chamava bastante atenção o “não medo” dos colegas argentinos posicionar-se e defender o que acreditam dentro dos seus espaços de trabalho. Me pareceu bastante oportuno compartilhar algumas reflexões com vocês.

neutrality.jpg

Não é novidade que a formação superior de bibliotecários, na maioria das nossas universidades, enfatiza o uso da tecnologia da informação e comunicação, dando um forte aspecto técnico fazer laboral.

Assim, ao entrar no mercado de trabalho, reproduzem a escola de formação e, portanto, olham com desconfiança e com desdém marcante e total desinteresse pela “política” em geral, e mais receio ainda com a “política progressista” o que é um tanto engraçado uma vez que ela se aproxima fortemente para a análise da realidade social dos povos.

Aprendemos um discurso da neutralidade mas vale ressaltar que isso não é o mesmo que deixar de defender e posicionar-se frente a algo que você acredita e se opor quando vê que algo está errado de acordo a nossa ética profissional. Para ilustrar a ideia, cito Morillo Calero (2008: 15-16)[1]:

Em vez de ser neutro, o que qualquer profissional deveria pretender é ser independente e reflexivo. […] Ao contrário do que se poderia pensar, a suposta neutralidade já é uma decisão de postura fundamentalmente política frente a realidade social em que nos movemos, mas não quer ser reconhecido como tal.

Parece-me que as vezes, é mais fácil ocultar ou omitir comportamentos ou atitudes talvez para não assumir a responsabilidade por determinado fato. Então questiono: Onde está a nossa biblioteconomia socialmente responsável?

Talvez ela esteja ficando conformada mais na literatura que nas ações propriamente ditas. Muitas vezes ignoramos questões de responsabilidade e compromisso social dos bibliotecários, parecendo algo acessório da profissão. Alguns entendem que não é necessário, afinal de contas, é mais prático e mais pomposo deixar de ser bibliotecário, envaidecer-nos com as tecnologias e então nos transformaremos em gestores da informação[2].

A modo de conclusão ou ainda como um espaço de abertura para novos posicionamentos, desejo realmente que não reduzamos nossas atividades à execução de processos técnicos e sejamos capazes de atuarmos de modo reflexivo, crítico e analítico para argumentar e que isso possa ajudar em nossas articulações que não deixam de ser políticas.

Fontes e dicas de leitura:
[1] Hacía una biblioteconomía responsable socialmente. Texto completo disponível em : http://www.portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/2663.
[2]  El rol social del profesional de la información: un punto de vista desde Argentina. Texto completo disponível em : http://www.abecin.org.br/revista/index.php/rebecin/article/view/28/pdf_16.

Os números do blog em 2015

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2015 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 6.000 vezes em 2015. Se fosse um comboio, eram precisas 5 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

Espero poder ter a sua visita por aqui em 2016, com bastante novidades.

Empréstimo de ferramentas de trabalho em bibliotecas

Tool-Library-1024x7681

Economia e negócios são são temas alheios ás bibliotecas, acredite. Prova disso é o artigo breve de Matthew Yglesias publicado em 2012 onde dedicou umas linhas sobre as bibliotecas do futuro oferecendo seu ponto de vista alheio da profissão bibliotecária.

Para Yglesias, a função tradicional da biblioteca de emprestar livros segue com sentido e sendo eficiente nos dias atuais, porém deixará de ser no futuro, com a previsível extensão do texto digital. Recomenda aos bibliotecários que deixem de pensar apenas em formas de otimizar a função de empréstimos de livros na era digital e comecem a planejar uma mudança orientada a outros empréstimos mais úteis para a a sociedade: as ferramentas de trabalho!

Coleção

Inaugurada em Janeiro de 2000 e foi financiada em modo  Block Grant  que se trata de uma concessão consolidada dos fundos federais, que um governo estadual ou local poderá utilizar a seu critério para programas como educação ou desenvolvimento urbano.

São mais de 5.000 itens entre manuais e ferramentas disponíveis para empréstimo na Temescal Lending Library. Divididas em: Carpintaria e marcenaria, Alvenaria, Ferramentas elétricas, Piso e parede, Jardinagem e paisagismo, Escadas, Movimentação de materiais, Ferramentas mecânicas, Canalização e limpeza de esgotos.

Políticas

  • Para emprestar ferramentas que você precisa ter um cartão de sócio da biblioteca comprovante  de residência que demonstre que o usuário vive em Oakland, Emeryville ou Piedmont.
  • Idade superior a 18 anos são elegíveis para emprestar ferramentas do Lending Library Tool (TLL).
  • Não mais do que  oito (8) itens podem ser emprestados a qualquer momento.
  • Período de empréstimo é de sete (7) dias para a maioria das ferramentas; dois (2) dias para alguns de nossos artigos mais populares.
  • As multas: $ 1.00- $ 20,00 para cada dia uma ferramenta final é, dependendo do valor da ferramenta.
  • Se o item for devolvido danificado, você será cobrado uma taxa de danos.
  • Multas e taxas são pagas em qualquer local da Biblioteca Pública em dinheiro ou cheque. Também podem ser pagas on-line.
  • As ferramentas devem ser entregues limpas.
  • Renovações são permitidas até duas (2) vezes se não houver espera pela ferramenta. Devido à alta demanda, ferramentas marcadas com * não são renováveis.

O bom desse tipo de serviço em  bibliotecas é que permitem que seus usuários possam emprestar ferramentas, equipamentos e guias “how-to” (como fazer) ou “DIY”Do It Yourself (do inglês faça você mesmo)  – espécie de materiais de ensino  , ou seja, funcionando tanto como bibliotecas cumprindo sua função educativa como uma loja de aluguel onde com uma taxa de empréstimo das ferramentas, ou mais comumente de forma gratuita como forma de partilha comunitária.

Materiais adicionais para consulta:

Clique aqui para consultar a política de empréstimo completa. (Original, em inglês)

Clique aqui para consultar outras políticas da biblioteca. (Original, em inglês)

Lista de bibliotecas que oferecem esse tipo de empréstimo no mundo.

Como a tecnologia está mudando a maneira de gerenciar a coleção de vestuário teatral.

Um guarda-roupa gigante? 

Não. Essa é uma espécie de biblioteca do vestuário teatral da cidade de Buenos Aires. Nesse lugar se guardam vestuários, figurinos, cenários, sapatos, perucas, acessórios, etcétera, de obras teatrais que se realizaram nas salas do Teatro San Martin. Esse espaço é inédito ao menos na América Latina e se coloca a altura das referências em produção teatral do mundo, sendo portanto, uma instituição cultural de referência na cidade de Buenos Aires e para a Argentina.

Foi idealizada pela Fundación Amigos del Teatro San Martín, o Complexo Teatral de Buenos Aires (CTBA) inaugurou em Maio de 2015  um Centro de Vestuário de 600 m2, localizado na Rua Zabala 3654,  no bairro de Chacarita, construído especialmente para o armazenamento das 30.000 peças que integram sua coleção de vestuário teatral.

O Centro de Vestuário do CTBA foi projetado e  construído seguindo padrões internacionais para a  preservação de têxteis, com o objetivo de garantir as condições ótimas para o resguardo e a segurança dos figurinos.

Em uma colaboração sem precedentes entre a Fundação, as Secretarias  de Cultura e a de Desenvolvimento Urbano do governo da cidade, o CTBA se projetou, desenvolveu-se e implementou-se num programa para preservar e organizar as peças que integram a coleção embora de início a ideia foi de modernização informática para a gestão do vestuário cênico, adereços e cenografia, informou Paula Ramos.

Coleção tesouro

O emprego da palavra tesouro não é casual. Se denominam por sua confecção ou por haver sido usadas em determinada obra ou por algum ator muito reconhecido. Ademais, os itens do tesouro – por seu alto valor patrimonial (que considera o processo de desenho e a história individual) – merecem ser especialmente protegidas e por isso não podem sofrer modificações.

Gestão da coleção

Com o objetivo de organizar, classificar e documentar as peças que integram a coleção foi desenvolvido uma software XIRGU  (homenagem a atriz espanhola Margarita Xirgu Subirá) que possibilita a gestão inovadora em relação ao patrimônio.  Esse software gera informação confiável sobre cada vestuário e possibilita sua administração desde o momento de sua confecção até seu armazenamento, passando por sua historia sobre os palcos do CTBA.

Dentro do sistema informatizado, cada prenda pode contar com fotografias em excelente qualidade e possibilidade de aproximação para observar os detalhes, os bordados, os acessórios que a acompanham, numa quantidade excelente de detalhes que podem ser agregados por campos de metadados definidos pela equipe.

Centro de Vestuário do Complexo Teatral San Martín, Buenos Aires.

Uma biblioteca que empresta utensílios de cozinha como se fossem livros.

Biblioteca de Cozinha

A crescente popularidade de compartilhamento entre as comunidades, está provocando, nos últimos anos, uma sub economia mais justa e social em que as pessoas colaboram e dividem seus recursos.

Recentemente, toScreen-Shot-Tem açúcar-2015-01-26-at-10.44.34-AMmei conhecimento do Tem açúcar?,  uma plataforma onde os usuários compartilham itens/bens/coisas/objetos uns com os outros. Apenas facilita a conexão entre usuários e não tem nenhuma responsabilidade com relação aos itens envolvidos na transação entre eles, ou qualquer outro acontecimento que se dê em contatos e relações, online e offline, entre usuários que tenham se conectado através do site.

Seguindo um conceito semelhante vem um projeto sem fins lucrativos do Canadá chamado The  Kitchen Library  (a biblioteca da cozinha). A primeira biblioteca de empréstimo  de utensílios de cozinha e eletrodomésticos.The-Kitchen-Library-Biblioteca-de-Cozinha

É como uma biblioteca normal, mas em vez de livros de empréstimo você pode encontrar e emprestar qualquer número de aparelhos de cozinha por 7 dias!

Como funciona?

Passo 1: Compre uma adesão (US$ 9 / mês ou US$ 50/anual)

Passo 2: Confira o inventário completo (espremedores de frutas, um desidratador, fabricantes de massas, fabricantes de sorvete, e muito mais!).Ver algo que você deseja pedir emprestado? (usuários podem agora reservar itens!)

Passo 3: Busque  o aparelho que você gostaria de pedir emprestado e leve para você.

Passo 4: Use o aparelho por até 7 dias. Lave-o. Entregue de volta para a biblioteca e vamos verificar o item na devolução.

Funciona como uma biblioteca livros convencionais mas em vez de promover a leitura está focada na cozinha. Ela está atuando como um recurso da comunidade para cozinheiros domésticos.

acervo da biblioteca da cozinha

Além do serviço de empréstimos, a biblioteca tem parceria com a Biblioteca Pública de Toronto é utilizada para ditar oficinas de cozinha e workshops de planejamento de refeições entre seus membros. Desta maneira, os consumidores podem familiarizar-se com o equipamento e  aprender  novas receitas.O objetivo final desta iniciativa é fomentar a cozinha caseira como uma solução aos problemas de saúde causados pela má alimentação.

Demorei mas encontrei a parte que mais tinha curiosidade Penalidades, claro – toda boa biblioteca que se preze tem que possuir uma política de gestão de sua coleção. Abaixo conto algumas coisas que estão claras:

  1. Os membros devem ter 18 anos de idade ou mais para se tornarem membros.
  2. Se houver danos a qualquer aparelho ocorrido como resultado do uso por qualquer terceiro, o membro que emprestou o aparelho será responsável por custos de reparação ou substituição.
  3. Antes de tomar emprestado mais de US$ 200 no valor dos aparelhos, todos os membros devem fornecer um número de cartão de crédito válido ou fornecer um depósito reembolsável para o valor do aparelho.
  4. Se o aparelho não for devolvidos ou incorrer em prejuízos, a biblioteca cobrará o valor total para reparo ou substituição destes aparelhos no número do cartão de crédito fornecido.
  5. A taxa de atraso para cada aparelho é de US$ 1/ dia.
  6. Se entregar o aparelho sujo, paga uma multa  (taxa administrativa) de  US$ 5.

    É possível que este conceito de biblioteca possa ser utilizado também em outras áreas, você pensa em alguma? Conte-me. 

Destacam o poder da leitura para harmonizar e tornar as pessoas melhores

Sala de leitura. Foto: Divulgação do Programa Nacional de Salas de Leitura (PNSL) da Conaculta, México.

Sala de leitura. Foto: Divulgação do Programa Nacional de Salas de Leitura (PNSL) da Conaculta, México.

Inaugurando a Conferência Nacional de Mediadores de Sala de Leitura, que ocorreu no dia 22 de outubro na cidade de Mérida, Estado de Yucatán, México e contou com a participação de mais de 150 mediadores destas salas a diretora geral de publicações de Conaculta (Conselho Nacional para a Cultura e as Artes), Marina Núñez Bespalova ressaltou que já existem mais de três mil desses espaços em todo o país e alcançou a formação das pessoas, especialmente dos jovens.

Jorge Cortés Ancona, Marina Núñez Bespalova, Hiryna Enríquez Niño (representando os professores) .

Jorge Cortés Ancona, Marina Núñez Bespalova, Hiryna Enríquez Niño (representando os professores) .

As salas de leitura que surgem como um esforço social “são salas frutíferas que estão formando leitores com um nível de amplo e crítico de leitura.

” Acrescentou ainda que “São pessoas que sabem como escolher o que ler e que nos faz felizes e nos dá muita esperança e nos anima, nos dá confiança para continuar com o apoio dos outros.”  – Bespalova

Está comprovado, acrescentou, que as comunidades se deslocar no livro, inclusive têm apoiado a determinados programas de corte social, de harmonia, de pacificação, então é algo que deve ser apoiado por ser uma ferramenta valiosa de divulgação da cultura e a promoção da leitura .

Isso tem dado certo porque tivemos sensibilidade suficiente para encontrar uma maneira de que através da sociedade civil fosse possível disponibilizar livros para as pessoas, porque não podemos esperar que as pessoas leiam se não houver livros. Até mesmo porque

Onde o único lugar de acesso ao livro é uma sala de leitura, mas não falo de poucas. Existem áreas marginais que estão longe dos centros culturais e administrativos, onde há somente uma sala de leitura como espaço de acesso ao livro”. – Bespalova.

Para o chefe do Departamento de Fomento Literário e Promoção Editorial de Sedeculta (Secretaria de Cultura e das Artes), Jorge Cortés Ancona, afirmou que:

O papel que tem essa atividade não é apenas como lazer ou ócio criativo mas também como forma de comunicação e de convivência, pois nem sempre a leitura é um ato solitário já que é uma ação que se pode compartir frutuosamente”. – Ancona

Ancona disse ainda que a leitura é uma ferramenta para a sociedade poder desfrutar de uma convivência justa e pacífica e acredita na possibilidade de torná-lo uma ferramenta de redirecionamento da qualidade de vida de todos os cidadãos, independentemente da idade, etnia, gênero ou condição socioeconômica. Finalizou destacando que o encontro é importante para dar visibilidade ao trabalho feito pelos mediadores, o qual representa o maior ativo disponível para uma sociedade que é o capital humano: os nutridas nosso povo em sua expressão artística, livre nas suas manifestações culturais.

Fontes: 
http://www.informaciondelonuevo.com/2015/10/mediadores-de-salas-de-lectura.html
http://www.informador.com.mx/suplementos/2015/621535/6/destacan-poder-de-la-lectura-para-armonizar-y-hacer-mejores-personas.htm

Netvibes: tudo o que você precisa saber para aplicar essa ferramenta na sua biblioteca.

Descrever e analisar a implementação de um ambiente de trabalho virtual como um novo serviço bibliotecário para o desenvolvimento das competências de alfabetização informacional: a alfabetização digital. Isso envolve a capacidade de alunos e professores no uso da Internet, e para compreender e utilizar documentos de hipertexto.

Captura de tela da interface de usuário do Netvibes aplicado a Biblioteca Escolar em Buenos Aires

Captura de tela da interface de usuário do Netvibes aplicado a Biblioteca Escolar em Buenos Aires

A utilização da Internet pelos alunos faz com que a aquisição de competências e habilidades em informação seja cada vez mais necessária devido ao aumento da informação disponível. Para isso eles precisam adotar estratégias melhores, tanto para a investigação, para a seleção e mesmo para reformular a informação e serem mais capazes de transformá-la em novos conhecimentos.

O desenvolvimento e implementação de um ambiente de trabalho virtual usando a ferramenta on-line Netvibes permite que os usuários tenham, em um único lugar, recursos educacionais on-line e permite ainda que bibliotecários possam armar uma interface para ensinar como localizar informações na Internet, desenvolver critérios seleção e avaliação de recursos na web (autoridade, navegabilidade, cobertura, atualidade), analisar de modo comparativo como  são apresentados os resultados das consultas, e avaliar a relevância e eficácia das informações obtidas.

Se é o Netvibes serviço web que atua a modo de área de trabalho virtual personalizado, similar a Página Principal Personalizada do Google. Assim, representa uma contribuição valiosa para agilizar os processos e melhorar os resultados das pesquisas de informações realizadas pelos usuários da biblioteca escolar, preparando-os para ser capaz de usar a informação para resolver problemas e tomar decisões.

Resolvi divulgar a ferramenta porque acreditei no poder atrativo da ferramenta num ambiente de trabalho ainda mais em contexto onde normalmente  não dispomos de suporte técnico de informática abundante e nem mesmo recursos financeiros. Portanto, desejamos soluções simples e livre. Então, durante a cursada de um seminário no  mestrado uma amiga, a Bibliotecária Licenciada Verónica Luján Cavalleri que é apaixonada e atua em biblioteca escolar, está implantando um portal com dita aplicação que pode ser consultada em www.netvibes.com/biblioteca10de10 .

#Conhecendo funcionalidades estruturais básicas

A interface é básica e altamente personalizável, portanto você pode agregar abas, notas e outros widgets (aplicativos) pensando na contribuição para a inserção desses usuários na sociedade da informação e do conhecimento, alcançando assim uma sociedade mais igualitária e democrática.

Abas – Crie abas temáticas para facilitar a visualização. Como podemos observar no caso onde foi aplicado o Netvibes, a colega optou por criar abas: Inicio, Obras de Referência, Bibliotecas digitais, Vídeo-livros e áudio livros, Canais educativos, Revistas de Literatura Infantil e Juvenil, Aprender jogando, Contos digitais.

Notas e notícias – Sugere que sejam postas na aba Início. Você poderá dar conhecimento da missão e visão da biblioteca, regulamento, horário de funcionamento, serviços e novidades, como chegar utilizando os ônibus ou outros meios de transporte, novas aquisições, eventos, sugestão de leituras e outros.

Widgets – podem ser incorporados coisas como previsão do tempo, link de notícias dos principais jornais de circulação nacional e local, aplicativos de jogos educativos.

#Outro caso onde o Netvibes é utilizado

Vi que a ferramenta também é usada pela  Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin desde ano 2010 e oferta abas com recursos para todas as suas comunidades, inclusive para o público adolescente e de crianças.

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin - setor infantil

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin – setor infantil

Cada um conhece a sua realidade e o público para quem trabalha. Use a sua criatividade e crie uma interface para o seu local de trabalho sem precisar de recursos financeiros extra. Dedique tempo e você poderá ter um lindo (e eficiente) portal.

Se você gostou da ideia e pretende aplicá-la, compartilhe aqui nos comentários o link e mostre como ficou o seu trabalho. 

.

Pensar maneiras de reavivar as bibliotecas

Campanha para transformar as bibliotecas

libraries transform

Projetado para sensibilizar o público para o valor, o impacto e os serviços prestados por bibliotecas e dos próprios profissionais; a campanha de ALA (American Library Association) criou a campanha “Libraries Transform” , no português algo como  “Transformar as Bibliotecas” e tem o objetivo de ajudar a criar uma mensagem comum, clara e forte dentro e fora da profissão sobre a natureza transformadora das bibliotecas nos dias de hoje bem como a importância delas na era digital.

As maneiras pelas quais as bibliotecas se transformam são tão sutis e variadas como as pessoas a que servem. As mudanças físicas são fáceis de detectar, mas a transformação de serviços, e o alcance podem ser menos evidentes, embora essas mudanças estão ocorrendo constantemente.

Este vídeo é a primeira de muitas ferramentas compartilháveis ​​concebidos para provocar uma discussão sobre a  biblioteca transformada e o profissional  da biblioteca. Em algumas coisas estamos longe na realidade brasileira, onde ainda não conseguimos unir economia e bibliotecas por exemplo. Mas o importante é a inspiração e acreditar que podemos chegar nesse cenário o quanto antes.

Esta campanha foi desenhada para mostrar como:

• Bibliotecas transformam as comunidades e as vidas de pessoas.

• Bibliotecas seguirão [deveriam seguir] se transformando rapidamente para responder e atender às novas necessidades de usuários e comunidades no século 21.

• Os profissionais de biblioteca seguem em capacitação para adquirir habilidades e competências para melhor atender as necessidades em tempos de mudança nas comunidades a que servem.

• Aumentar a conscientização e o apoio às bibliotecas. Demonstrando a natureza transformadora das bibliotecas de hoje.

• Aumentar a conscientização sobre o papel fundamental que possuem as bibliotecas e os profissionais das bibliotecas na era digital.

• Atualização da imagem das bibliotecas e dos profissionais que nela atuam.

• Atrair à profissão os melhores e mais brilhantes profissionais em todas os âmbitos da vida para ajudar a crescer e expandir nossa biblioteca.

• Influenciar os principais tomadores de decisão nos níveis nacional, estadual e local para aumentar a acessibilidade e políticas públicas para as bibliotecas.

Cartões postais e cartazes da campanha

Amerelo: Porque existem mais de 14.000.000 resultados da busca para as eleições presidenciais de 2016. Laranja: Porque mais de um quarto dos lares norte-americanos não têm um computador com ligação à Internet. Azul: Porque por que não você ser capaz de trazer o seu grande macchiato snickerdoodle caramelo (tipo de café vendido na cafeteria Starbucks)?

Amerelo: Porque existem mais de 14.000.000 resultados da busca para as eleições presidenciais de 2016.
Laranja: Porque mais de um quarto dos lares norte-americanos não têm um computador com ligação à Internet.
Azul: Porque você não pode ser capaz de trazer o seu grande macchiato snickerdoodle caramelo (tipo de café vendido na cafeteria Starbucks)?

Verde claro: Porque o mundo está em suas mãos e que o mundo pode ser um lugar assustador. Verde escuro: Porque os alunos não podem pagar revistas acadêmicas com um orçamento "ramen budget" (expressão utilizada para viver na pobreza já que se refere a uma comida muito econômica como o macarrão instantâneo - amplamente considerado como a refeição mais barata que um humano pode consumir). Roxo: Porque os empregadores querem candidatos que sabem a diferença entre uma busca na web e uma pesquisa.

Verde claro: Porque o mundo está em suas mãos e que o mundo pode ser um lugar assustador.
Verde escuro: Porque os alunos não podem pagar revistas acadêmicas com um orçamento “ramen budget” (expressão utilizada para viver na pobreza já que se refere a uma comida muito econômica como o macarrão instantâneo – amplamente considerado como a refeição mais barata que um humano pode consumir).
Roxo: Porque os empregadores querem candidatos que sabem a diferença entre uma busca na web e uma pesquisa.

Ajude a difundir a campanha

Como o material é em inglês e algumas coisas não se aplicam a nossa cultura brasileira, é interessante pensar no que poderia despertar o interesse de nossa comunidade e criar nossos próprios cartazes utilizando um diagrama parecido. As cores utilizadas me chamaram bastante atenção. Isso seguramente eu aplicaria.

  1. Envie um Tweet em seus serviços mais inovadores e impactantes usando a hashtag #transformarasbibliotecas
  2. Inclua informações sobre “Transformar as Bibliotecas” nos boletins de notícias ou e-mails.
  3. Faça a sua própria campanha de marketing criativa para encantar e surpreender sua comunidade. 
  4. Convido você leitor ou seguidor do blog os membros de sua comunidade para compartilhar informações sobre a forma de “transformar as bibliotecas” em suas plataformas de mídia social – Facebook, YouTube, Instagram, etc. 

Sinta-se convidado a compartilhar suas experiências e dizer quais motivos você acredita que as bibliotecas precisam ser transformadas e de que maneira podemos oferecer serviços para mostrar essas transformações.

As oportunidades estão na biblioteca pública: apoio a pessoas sem emprego e ao emprendedorismo

As bibliotecas públicas devem recuperar a sua missão social e se concentrar em ajudar os grupos mais desfavorecidos.

Alemanha, Brasil, Espanha, Estados Unidos são países onde já é possível encontrar serviços bibliotecários orientados a pessoas que estão buscando emprego ou ainda aos empreendedores e autônomos, especialmente aos jovens quando o objetivo é oferecer recursos e ferramentas para ajudá-los e apoiá-los a enfrentar o mercado de trabalho cada vez mais competitivo e em busca de pessoas criativas e capacidades inovadoras.

Trata-se de uma questão cultural que está por detrás dos indicadores sociais do desemprego e então a biblioteca ressurge com destaque e mostra o seu papel efetivo como uma instituição agente que pode e deve contribuir para a coesão social.

Depois de ler algumas coisas em fóruns da internet, resolvi escrever um post como sugestão inspiradora aos colegas bibliotecários que gostam e desejam pensar a biblioteca “fora da caixa”, assim que fica o registro como uma maneira de estimular profissionais de bibliotecas a criar e empreender ações sustentáveis para ampliar o protagonismo da biblioteca na sua comunidade.

#O que se observa e que pode ser feito a partir das páginas web ou blog das bibliotecas públicas ou dos terminais de consulta:

  • Serviço de recompilação documental sobre notícias e informações relevantes sobre oportunidades de trabalho e capacitação;
  • Organizar um espaço onde a informação esteja classificada em: orientação; profissões; encontrar um emprego; vida profissional; concursos públicos.

#Nos espaços físicos podem ser organizados diferentes cursos, oficinas e palestras para:

  • A descoberta profissional – conhecendo profissões;
  • Capacitação – divulgação e realização de cursos de curta duração e com saída laboral;
  • Conhecimento e utilização de ferramentas e recursos para busca de emprego;
  • Conhecimento de empreendedorismo e mundo do trabalho;
  • Assessoria para criar plano de negócios, educação financeira;
  • Modelagem de negócios;
  • Iniciação as start-ups;

Seria interessante que as bibliotecas públicas brasileiras possuíssem um espaço ou serviço sobre informação e emprego, considerando ainda as necessidades de informação especializadas para os imigrantes e emigrantes.

#O que considerar:

  • A biblioteca  pública é um lugar excelente por sua neutralidade para desenvolver muitos tipos de serviços, deve ser inclusiva;
  • É necessário cooperar com entidades de forma sistematizada e baseada em acordos, convênios, parcerias;
  • A mediação humana é fator básico nas bibliotecas;
  • Os cursos e oficinas  devem ser personalizados sempre conhecendo o perfil dos usuários;
  • Principalmente: Nunca esqueça de avaliar as ações que se desenvolvem para ver e ter evidências da efetividade e do impacto que tem para a sociedade.

O assessoramento pode ser individual ou em grupo, dependendo do espaço físico e dos equipamentos disponíveis. Obviamente nem todas as competências são obrigatória de bibliotecários. Ora, se estamos na era das cooperações, é esse o momento de buscar pessoas e entidades parceiras( setor de informática, de recursos humanos, de empreendedorismo, de capacitação profissionalizante) para colaborar nos projetos que se pretendem executar.

Além de realizar as atividades é preciso divulgá-las e animar a comunidade a participar. Assim, é sempre bom promover palestras, fóruns, debates, encontros profissionais entre empresários e jovens em busca de emprego. É realmente pensar a biblioteca como um espaço interativo e de encontro.