Servindo imigrantes e refugiados em Bibliotecas Públicas: a marca da ausência

 

 

Mudar de país não é uma tarefa fácil. O processo de imigração é economicamente importante ou nem tanto como tem ocorrido com a recepção dos imigrantes venezuelanos nos Estados de Roraima e Amazonas. O choque de culturas distintas, pode ocasionar atritos.
 

O processo migratório dos venezuelanos possui uma característica particular motivada pela crise política, econômica e social permeia aquele país neste momento. Fazendo que muitos venezuelanos iniciem o êxodo imigratório para outros países em busca de melhor qualidade de vida para suas famílias.

Emerge a necessidade de serviços para os imigrantes , tanto para o trabalho tradicional de bibliotecas – desenvolvimento de coleções em vários idiomas e aulas de português – quanto para serviços que enfocam direitos civis, engajamento cívico e justiça social. A biblioteca pode sim oferecer um espaço seguro e não político para ajudar imigrantes e refugiados a descobrir a melhor forma de se integrar ao Brasil.



Project Welcome (Projeto Bem-vindo) desenvolvido pela Mortenson Center for International Library Programs (Centro Mortenson para Programas de Bibliotecas Internacionais )


De imediato, eles precisam de alguém que fale sua língua quando eles mais precisam de ajuda. A biblioteca pública pode apoiar a organização de uma comunidade que está sendo construída no Estado quanto a geração de recursos. Uma metodologia que achei bem interessante de ser replicada é o Project Welcome (Projeto Bem-vindo) desenvolvido pela Mortenson Center for International Library Programs (Centro Mortenson para Programas de Bibliotecas Internacionais )em parceria com a American Library Association (ALA), para ajudar as bibliotecas que desejam fornecer programas e serviços para imigrantes que vivem em comunidades dos Estados Unidos para atender às necessidades de informação dos refugiados e requerentes de asilo, a fim de apoiá-los e capacitá-los em seu processo de reassentamento e integração.

 

Parceiros e atividades

As organizações sem fins lucrativos e agências municipais para oferecer serviços e responder a perguntas sobre tudo, desde moradia até redação do currículo.

A maioria dos serviços identificados em Bibliotecas que oferecem este tipo de serviço compreende em ajudar pessoas a preencher formulários, mas também oferecem informações sobre direitos à moradia e apoio na abertura de pequenas empreendimentos.

Passo a passo

1. Conhecer os dados demográficos

Quem e quantos são os imigrantes e refugiados em sua comunidade? Em que região estão vivendo?

2. Encontre parceiros internos e externos

Parcerias ajudam a trazer serviços para que sua equipe não precise fornecer tudo.

Estamos conscientes de que em muitos casos faltam espaços para acervos de livros e mesmo há a ausência de bibliotecários. E algumas outras vezes temos os recursos e os subutilizamos.

Apoio para venezuelanos em Manaus

Apesar de não ser uma biblioteca atuando como protagonista é bom saber que em meados de dezembro de 2018 foi inaugurado um Centro de Apoio e Referência a Refugiados e Migrantes (CARE), promovido pela ADRA Brasil Regional Amazonas em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo de Populações das Nações Unidas (UNFPA), a União Europeia e a Prefeitura de Manaus.

Inicialmente são oferecidos serviços de ligações internacionais gratuitas, agendamento para a solicitação de refúgio, atendimentos jurídicos, assistência social, aulas de português e acesso gratuito à internet.

Projeto CARE (Centro de Apoio e Referência a Refugiados e Migrantes)-  Núcleo de Desenvolvimento de Manaus, Av. Maués, n. 120 – Cachoeirinha.

Contato
Fernando Borges – comunicacao.am@adra.org.br +55 92 99329-0087

 

Anúncios

10 idéias fáceis de uso do instagram para bibliotecários

Você precisará de um telefone com câmera e internet (claramente do aplicativo instagram, que é gratuito, instalado no telefone). As ideias aqui, na verdade se aplicam a todas as bibliotecas, mas direcionado para a biblioteca escolar, visto que sei da existência de colegas que atuam em biblioteca escolar  promovendo atividades tão legais, mas não procuram dar visibilidade às mesmas, isto é triste porque poderiam seguir estimulando e motivando muitos outros tantos profissionais ao divulgar o trabalho na rede mundial de computadores.

Explore sua criatividade e habilidades para fazer gráficos, escrever textos, tirar fotografias. Se esforcem para fazer um trabalho legal. Bibliotecários podem fazer qualquer coisa quando se dedicam a isso!

 Cada post do Instagram pode ser postado na conta do Twitter, Facebook, Flickr, Tumblr, caso a biblioteca também tenha conta/ perfil nessas ferramentas.

bookselfie-flickr

Mas qual será o foco das minhas postagens?

Calma, aqui estão algumas sugestões do que pode ser postado. Lembre-se que seu foco será na grande maioria das vezes as temáticas: biblioteca, livro e informação. Seguem:

  • Mostrar as novas aquisições da biblioteca;
  • Fotos de exposições e atividades que a biblioteca organiza ou participa.
  • Divulgar livros mais lidos ou mais procurados;
  • Promoção projetos  –  Tem uma ótima história para contar? Quer divulgar um evento? Tem algo inovador na biblioteca? Uma área de Makerspace? Que tal um encontro com o escritor? Promova ou compartilhar esse programa usando o Instagram. Os eventos se tornam motivo de diversão desde o momento de divulgação.

Makerspace é um espaço comunitário equipado com ferramentas para a criação de projetos e trabalhos. Estes espaços para além de disponibilizarem o acesso a tecnologias e ferramentas, potenciam também a partilha de conhecimento e criação de sinergias, com foco na criatividade e inovação. 

Por fim, conforme prometido, aqui estão as 10 ideias:

Basicamente, a chave do sucesso estará no uso de # (hashtags), isto pode parecer óbvio, mas não custa nada repetir. Vamos lá, algumas dicas que poderão ajudá-l@s na hora de criar uma nova conta  para sua biblioteca: 

  1. Mini visita virtual da sua biblioteca e seus recursos. Seja criativo, faça os vídeos curtos de até 60 segundos. Para ficar mais interessante, adicione música, use ângulos interessantes e mostre a sinalização ou sobreponha textos.
  2.  Vídeos –  utilize o aplicativo Flipagram é um ótimo aplicativo de edição de vídeo que permite que você inclua desenhos animados, texto sobrepostos, adesivos e músicas populares e
  3. Promoção do livro – Publique videos de até 60 segundos, você pode facilmente criar promoções de livros atraentes ou mini-anúncios de livros usando o Instagram. Considere o tema, a configuração ou os caracteres de um livro e crie um quadro para uma sessão de fotos. As promoções de livros de vídeo podem ser encenadas como mini-comerciais, trailers ou como palestras de livros. Considere levar alguns livros favoritos em uma viagem e faça fotos deles fora da biblioteca.
  4. Exibição interativa – Use um canto da biblioteca e deixe post-it .Faça com que os pequenos escrevam uma nota rápida sobre o que eles gostaram sobre o livro e coloquem para que outras crianças o leiam. Poste no Instagram uma foto dessa nota para a posteridade e para que outros pequenos digitais possam vê-la.
  5. Capture a leitura – Tire uma foto dos usuários e pergunte se está tudo bem postar no Instagram. OU, peça para pousarem.  Capture momentos de leitura por prazer, ou relaxamento.
  6. #shelfies (prateleiras/estante) – Como uma selfie, mas com um livro. Peça aos usuários que  segurem o livro que acabaram de emprestar ou que estão devolvendo a biblioteca, eles são chamados de shelfies. Certamente se o seu público é de adolescentes a maioria vai  adorar exibir o livro mais recente e até mesmo querer ser marcado na foto! 
  7. #bookface – capas de livros que apresentam rostos ou parte de rostos, ou costas, ou pernas, ou braços são ótimos para segurar e levar para o que agora é chamado de uma imagem #BookFace. Mistura parte do corpo da pessoa com a arte da capa.
  8. #livrosdevolvidos – Empilhe os livros mais populares que foram devolvidos no dia e tire uma foto, sugerindo-os como leitura para os seguidores.
  9. Concursos – Realize um concurso com a comunidade! Dá uma oportunidade para as pessoas entrarem em contato, responderem a perguntas e interagirem com a biblioteca.
  10. #tbt  – Tbt significa throwback thursday, ou quinta-feira do retorno/regresso. Semanalmente você pode postar fotos de anos anteriores, seja das ações ou fatos interessantes da biblioteca.

 

 

 

Leia estas orientações para tirar as fotografias e evitar possíveis repercussões negativas

Este tema pode parecer um pouco complexo demais, mas não conhecê-lo pode acarretar em problemas sérios para sua fotografia. Com o crescimento da internet fica muito fácil cometer algum deslize jurídico mesmo sem esta intenção, o que pode custar muito caro para sua carreira e bolso.

  • Entre direitos e deveres do fotógrafo e do indivíduo capturado nas imagens, vale ressaltar a importância da leitura.
  • Como sempre, o dialogo é a melhor saída para evitar desentendimentos e brigas judiciais sérias e não custa nada informar-se mais a fundo sobre este tema e garantir seus direitos e deveres, não é mesmo?
  • Quando o  seu público de usuários for crianças ou menores de idade, informe aos pais que trata-se de uma fotografia ou um projeto da biblioteca e a peça autorização para utilização da imagem  e esclareça as formas e locais de exposição, distribuição.

 

Deixe o seu comentário sobre este artigo ou esclareça mais alguns pontos sobre direitos autorais e de imagem no campo de comentários abaixo. Será incrível ter a sua contribuição para enriquecer ainda mais este conteúdo.

 


Política de comentários:

  1. Seja respeitoso e não ataque o autor, as pessoas mencionadas no artigo ou outros comentaristas. Aceite a ideia, não o mensageiro.
  2. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar.
  3. Foque na questão. Os comentários que se desviarem do tópico em questão podem ser excluídos.

Drag queen na biblioteca: seria possível aqui no Brasil?

Drag queen (640x427)

Imaginem o seguinte cenário: Uma fila de meninas e meninos, muitos vestidos com trajes de princesa ou fada e espremidos na Galeria de Arte da biblioteca, gritaram de volta em concordância. Do lado de fora da galeria, mais de cem pais e apoiadores que não conseguiam se encaixar no espaço esperavam.

Foi exatamente assim que aconteceu, tudo isto para participarem da Drag Queen Kids Party na Biblioteca Pública de Olean (cidade localizada no Estado americano de Nova Iorque, no Condado de Cattaraugus).

captura-tela-instagram

Flo Leeta (@floleeta) animou parte da festa da biblioteca  por quase duas horas. Ela leu dois livros e dublou  “Let It Go” da Disney “Frozen”, e também “Cover Girl” de RuPaul. Ela então fez uma breve apresentação sobre gênero, durante a qual ela passou por um pouco da história feminina, e moda masculina e tentou explicar conceitos como fluidez de gênero.

“Você sabe como a água se move e não é uma forma? É assim que algumas pessoas são ”, disse ela, diante de uma projeção colorida de“ The Gender Spectrum ”.

O evento foi parte dos esforços da biblioteca para destacar o Pride Month para a comunidade lésbica, gay, bissexual, transexual e gay. Flo Leeta respondeu a perguntas tão simples quanto o tempo que levou para fazer sua maquiagem – duas horas e meia – e tão complexo quanto explicar o que é um bioqueen – uma drag queen que é uma mulher, que é diferente de um homem que retrata uma mulher como uma drag queen tradicional.

“Foi exatamente como em nossos sonhos”

Fala da a diretora da Olean Public Library, Michelle La Voie se referindo ao apoio da comunidade.

captura-tela-instagram2

Planejamento e gerenciamento de crise

Durante duas semanas antes do evento, a equipe da biblioteca recebeu muitos comentários negativos on-line, pelo telefone e pessoalmente. Eles também foram informados de que haveria um protesto no evento, que deveria incluir neonazistas – embora nenhum tenha aparecido na quarta-feira.

La Voie disse que ela e outros funcionários da biblioteca ficaram inicialmente muito desapontados com a negatividade em torno de sua decisão de sediar um evento de drag queen direcionado a crianças, e ela estava nervosa com o fato de as coisas ficarem fora de controle.

Mas sua atitude foi revirada pelas dezenas e dezenas de apoiadores que apareceram e pelos aplausos das crianças quando Flo Leeta perguntou se queriam que ela voltasse. “Não é como se minha fé fosse restaurada – é como se eu tivesse uma visão totalmente diferente dessa comunidade”, disse ela.

Aqueles que vinham como apoiadores – que ficavam em frente ao prédio três horas antes do evento – conversavam entre si enquanto usavam coisas como pinturas de arco-íris no rosto e alfinetes e camisetas pró-LGBTQ.

“Eu tenho duas mães e arrasto, e para mim é uma coisa enorme para alguém entrar na minha vida e dizer que está errado. Porque não é – é assim que vivemos nossas vidas ”.

SaJean Webb, 17 anos, saiu com sua família de Wellsville para apoiar a biblioteca depois de saber que haveria protestos. Informou ainda que estava feliz em ver a biblioteca realizar um evento especificamente para crianças com informações positivas sobre a comunidade LGBTQ.

Segurança

Embora um líder da Pensilvânia do National Socialist Movement tenha declarado publicamente que a organização estaria no evento, eles não compareceram. Autoridades policiais e de bibliotecas também disseram que não viram manifestantes do grupo neonazista na biblioteca na quarta-feira.

Os protestos permaneceram pacíficos, o que La Voie atribuiu à forte presença de policiais e simpatizantes. Cerca de oito policiais oleanos estavam presentes, incluindo o chefe de polícia Olean, Jeff Rowley, e um oficial da Polícia do Estado de Nova York.

No canto noroeste da biblioteca, do outro lado do estacionamento, de partidários, um grupo de menos de 10 manifestantes se reuniu com cartazes que incluíam declarações como:

“Deixe nossas crianças em paz!” E “Mantenha as crianças inocentes”. –

O manifestante Jonathan Smith, de Olean, questionou por que Flo Leeta estava aparecendo em seu traje de performance e não como um artista masculino Benjamin Berry, que traz o personagem à vida . Smith escreveu uma carta ao editor do Olean Times Herald contra o evento de leitura da drag queen na biblioteca, e disse que ele era especificamente contra uma organização financiada por fundos públicos que a hospedava.

“Se você quiser ler um livro de histórias para crianças, venha e faça”, disse ele no protesto. “Mas ele está sendo político como uma drag queen e isso já é uma coisa sexual, então isso adiciona um sabor sexual ao conceito de leitura de livros de histórias.”

 


Algumas considerações

Penso que a ideia é positiva no ponto de vista de trabalhar questões da bibliodiversidade, diversidade cultural e questões de gênero bem como o respeito ao próximo. Somado a isto, é super válido porque permite explorar o potencial artístico das dragqueens. Eu não consigo concordar com os posicionamentos que pude ler em algumas matérias que explicitavam que este tipo de atividade possui a  intenção de sexualizar e principalmente homossexualizar a sociedade.

Diante desta matéria gostaria de saber de vocês como leitor, como usuário de bibliotecas, como bibliotecários ou gestores de salas de leituras, projetos de promoção da leitura ou similares, o que pensam a respeito? Já li sobre casos do tipo nos Estados Unidos e na Suécia, mas nenhum caso brasileiro ou na região da América Latina e Caribe. Caso conheçam, por favor, compartilhem. 

Acreditam que esta prática poderia ser viabilizada? Gostaria muito de saber a opinião de vocês. 

 

Fonte inspiradora deste post: 

 

Política de comentários:

  1. Seja respeitoso e não ataque o autor, as pessoas mencionadas no artigo ou outros comentaristas. Aceite a ideia, não o mensageiro.
  2. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar.
  3. Foque na questão. Os comentários que se desviarem do tópico em questão podem ser excluídos.

 

 

Estudantes criam marcadores de livros com temática multicultural

Estudantes criam marcadores de livros com temática multicultural para as bibliotecas públicas do Condado de Montgomery (Estado Maryland, nos Estados Unidos).

Estudantes do ensino médio foram convidados a usar arte para expressar como eles se sentem sobre comunidade e cultura em Montgomery. Dezenas de estudantes reuniram-se no parlamento provisório de bibliotecas públicas do condado de Montgomery, quinta-feira (22/06/2017) para estrear a divulgação de suas novas obras que serão exibidas nas bibliotecas.

Ao total, 24 alunos tiveram a oportunidade única de criar marcadores que não só promovem a alfabetização, mas também as diversas culturas da comunidade por meio do “Multicultural Bookmarks Project“.  A parte de trás de cada marcador mostra os recursos disponíveis nas bibliotecas da cidade.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Crédito das imagens: http://www.mymcmedia.org/students-design-multicultural-bookmarks-for-montgomery-county-public-libraries/

 

Os marcadores foram impressos e distribuídos para todos os departamentos das bibliotecas públicas da cidade @MCPL. Cada aluno pode ilustrar com uma citação sobre livros, leituras ou bibliotecas. Alguns alunos vieram com suas próprias citações, enquanto outros escolheram citações de escritores famosos. Vários dos marcadores são bilíngues: em espanhol e inglês, bem como chinês, hebraico, hindi, tagalo e nepalês. Um ponto interessante que destaca realmente a função da inclusão multicultural e a bibliodiversidade.

O Projeto foi apoiado pelo Conselho de Artes e Humanidades do Condado de Montgomery, Amigos da Biblioteca, Art4Moore, Associação de Arte de Montgomery e Artivate.

“Eu projetei um marcador multicultural que é baseado em um balão de ar quente acima do mundo, que é representado como você é livre para explorar”

Katelyn Hinkel, estudante da nona série da Wheaton High School.

Clique aqui e veja o vídeo do projeto.

Divulgo a atividade para que possa servir de inspiração aos colegas.

Boas práticas devem ser disseminadas e replicadas, sempre.

Coisas surpreendentes que você pode encontrar nas bibliotecas

freelibrary1.jpg

Como sempre digo, a ideia antiga de biblioteca como espaço para guarda e empréstimo de livro já não se adequa mais a nova necessidade das pessoas e fico feliz quando encontro cases interessantes. Dessa vez, lhes apresento a  Biblioteca Livre de Fayetteville (FFL) em Nova Iorque, Estados Unidos.

Com a  missão é “proporcionar acesso livre e aberto a idéias e informações” a FFL cria e sustenta esse acesso com a visão e com um propósito simples mas bem definido.

E portanto, orienta suas ações por meio da criação de um acesso igual e aberto para que os indivíduos de ponta tecnologia, oportunidades de aprendizagem únicas e inovadoras capazes de gerar poderosas ideias por meio das próprias pessoas da comunidades que pensem maneiras de transformar suas próprias vidas.

Por oferecer  programas inovadores, serviços, espaços e coleções, é conhecida por muitos apaixonados pelas bibliotecas em todo o mundo. Foi nomeada uma   Biblioteca  Estrela da América pelo prêmio da Library Journal  por seis anos, e é a casa da  primeira biblioteca Makerspace  nos Estados Unidos.

O discurso e as ações efetivas como capacitações, palestras e visitas técnicas com foco em inovação é possível devido a realização de parcerias com as indústrias e outros espaços fora da biblioteca, e influenciou bibliotecas e ações biblioteconômicas em escalas locais, nacionais e internacionais. Como o oferecimento de  cursos Hands on (expressão do tipo “mão na massa” ou “aprender fazendo”) com recursos para  apoiar o desenvolvimento das habilidades de crianças e adolescentes da comunidade. A seguir, apresento a lista de como estão planejados:

Programas de aprendizagem e desenvolvimento de habilidades em Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática

Oferecem clubes e programas pós-escola (algo como atividade de reforço ou extra-classe), tais como:

  • Tinker Tots/ Brinquedos de funilaria: Crianças de 2-6 anos. Exploram um tema por mês e têm oportunidades para aprender, explorar e inventar através do jogo de aprender relacionados.
  • Little makers/Pequenos costrutores: Para crianças de 5-8 anos. Facilitam o desenvolvimento do pensamento crítico, por meio da resolução de problemas explorando habilidades por meio do reforço do ensino de matemática e ciências.
  • Lego Brainstorms: Para estudantes de 3 a 5 série (8 a 10 anos). Uma introdução ao LEGO através de desafios de programação robótica seguido de uma missão.
  • Creation Club Jr./Clube de Criação Jr:. Para estudantes de 3 a 5 série (8 a 10 anos) aprenderem a criar e editar vídeos, podcasts, imagens, modelos 3D e muito mais.
  • Coding Club/Codificação Club: Para estudantes de 3 a 6 série (8 a 12 anos) aprenderem a criar seus próprios jogos, websites e mais usando Code.org, Scratch e outros recursos.
  • Geek Girl Camp/ Acampamento de meninas geek: Uma oportunidade de uma semana para as meninas de 3 a 5 série (8 a 10 anos) ficarem encantadas por assuntos geek,  isso inclui quadrinhos, livros, tecnologia, etc. Com muita diversão, fazem projetos e se inspiraram com mulheres nas área de Ciência e Tecnologia.
  • Minecraft and Coding/ Minecraft e Codificação: Este programa é para adolescentes na 6 ª série (12 anos) com interesse em aprender como codificar para Minecraft com o recurso Forge.
  • Mission Lego/Missão Lego: Orientado para estudantes de 5 a 8 série (10 a 14 anos) possam aprender a construir e programar robôs LEGO  e então completar missões específicas.
  • Teens Make/ Adolescentes fazem: Um programa de formação em artesanato e manualidades para adolescentes, com projetos diferentes a cada semana.
  • 3D Printer Certification/ Certificação Impressora 3D: Introdução a impressão 3D. Depois de certificado, o usuário pode entrar e imprimir as coisas que projetou.
  • 3D Design Classes/ Classes de design em  3D: adolescentes com mais de 12 anos e também adultos podem aprender a projetar  objetos 3D usando software como o SketchUp e Solidworks.

 

As bibliotecas humanas onde se consultam pessoas em vez de livros

biblioteca humana

Biblioteca humana: pessoas reais, conversas reais.

É certo que nos últimos anos as bibliotecas vem apresentando mudanças significantes e isso não  se evidencia apenas com a tendência no desaparecimento dos catálogos em fichas impressas. O entendimento de biblioteca como um lugar cheio de livros onde pode acessar a informação está obsoleto e insisto em afirmar, o conceito de biblioteca que encontramos nos dicionários já não mais se aplicam por não ser suficiente.

Em postagens anteriores já falei da diversidade de coleções e coisas que podem ser encontradas no espaço de bibliotecas, como o  empréstimo de ferramentas de trabalho e de utensílios de cozinha.

O surgimento da ideia

biblioteca humana é uma experiência que iniciou com a ONG por jovens idealistas, denominada de “Stop the Violence” na  cidade dinamarquesa de Copenhaguem no ano 2000, dentro do Festival Roskilde ‒um dos  maiores festivais de verão na Europa. E desde esse primeiro momento a ideia já tinha o foco na anti-violência, encorajar o diálogo e ajudar a construir relações positivas  de tolerância e compreensão entre os visitantes do festival.

Naquele momento havia na Dinamarca uma grande concentração de pessoas de diferentes culturas, religiões, raças e então a população daquela região tinha um sentimento de invasão.

Em oposição a esta crença, deu-se forma à biblioteca humana, uma plataforma para promover o diálogo entre as pessoas que normalmente nunca falam, possibilitando, de certo modo o questionamento aos preconceitos e estereótipos, e contribuindo para o reforço da coesão social.

Atualmente a biblioteca funciona como projetos e permite que algumas ONGs ou pessoas utilizem a marca para realização de eventos com o nome Library Human em diferentes partes do mundo.

A coleção da biblioteca

Os  materiais consultivos porque não há como comparar aos livros numa Biblioteca Humana são pessoas reais, voluntárias, capazes de comunicar a sua realidade pessoal. A modo ilustrativo, é possível estabelecer contato com pessoas que foram vítimas de discriminação ou exclusão social e que estão disponíveis para se encontrar, num ambiente aberto, acolhedor e seguro, com um ou mais “leitores” interessados.

livros da biblioeca humana

No catálogo da própria biblioteca é possível identificar algumas “Pessoas informantes” denominados “Livros” pela instituição. Entre eles temos:

  • Transtorno bipolar
  • Vivendo com HIV
  • Refugiados
  • Mães solteiras
  • Abuso sexual
  • Naturistas
  • Relações poliamor
  • Surdos
  • Cegos
  • Desemprego
  • Lesão cerebral
  • Transtorno de estresse pós-traumático em soldados
  • Déficit de atenção / hiperatividade (TDAH/DDA)
  • Modificação extrema no corpo
  • Sem teto
  • Conversão religiosa

Metodologia da consulta

  • É um método planejado para promover o diálogo, reduzir preconceitos e estimular a compreensão.
  • Os encontros são uma oportunidade para a aprendizagem, tendo um papel importante na sensibilização sobre a importância dos direitos humanos para o bem-estar pessoal de todos.
  • Após escolher um tópico sobre o qual querem escutar, os “leitores” pegam no seu cartão de biblioteca e são conduzidos a uma área de discussão, onde conhecem os seus “livros”.
  • É riqueza está na possibilidade de questionar, tirar dúvidas: tornando a experiência engrandecedor para ambas as partes.

 

Peer mentoring: entenda o que é e descubra como isso está funcionando entre os bibliotecários.

business-mentor-benefits-660x495.jpg

Peer mentoring, normalmente, significa a orientação e o convívio de alguém que já passou por alguma experiência específica com alguém que é completamente novo em relação à mesma experiência.

Podendo ser ainda interpretado como “aconselhamento aos pares” ou “aconselhamento de colegas” já vinha sido aplicado no ambiente das universidades estrangeiras a certo tempo.  Para que este programa funcione, as instituições contam com o trabalho voluntário de outros estudantes veteranos (no segundo ano de curso ou mais) para trabalhar como “mentores” de calouros, estudantes que acabaram de chegar ao país e começar os estudos.

Benefícios de ser um mentee

  • Ganha conselhos práticos, incentivo e apoio
  • Aprende com as experiências dos outros
  • Torne-se mais capacitado para tomar decisões assertivas
  • Desenvolve suas habilidades de  comunicação
  • Desenvolver estratégias para lidar com ambas as questões pessoais, acadêmicas e laborais
  • Identifica objetivos e estabelecer um senso de direção
  • Obtêm informações valiosas
  • Aumenta a rede de contatos e faz novos amigos

Benefícios de ser um mentor

  • Melhora a comunicação e habilidades pessoais
  • Desenvolve qualidades de liderança e de gestão
  • Reforça as suas próprias habilidades de estudo e conhecimento do seu assunto (s)
  • Aumenta a sua confiança e motivação
  • Envolve-se em uma oportunidade de voluntariado,  que pode ser valorizada pelos empregadores
  • Aumenta a rede de contatos e faz novos amigos
  • Obtêm o reconhecimento de suas habilidades e experiências profissionais
  • Beneficia-se de um sentimento de satisfação e crescimento pessoal

Peer mentoring para bibliotecários

International Librarians Network  (INL) é uma espécie de peer mentoring entre bibliotecários que organiza o contato  entre bibliotecários de diferentes partes do mundo a partir das experiência  nesta iniciativa de formação entre pares. 

No último dia 02/03/2016 tivemos uma conferência virtual organizada por SocialBiblio e presentada por María García-Puente Sánchez da Espanha onde apresentou o projeto e esclareceu sobre possíveis dúvidas. 

Quem pode participar?

Bibliotecários que possuam habilidades mínimas de redação em língua inglesa isso porque haverá troca de emails, whatsapp, etc. embora seja bem interessante que se pudesse conversar por skype. Existe a possibilidade de que haja acordo entre ambos em definir um idioma padrão para a comunicação. Ou seja, se houver um mentor que se expresse em português, pode ser uma oportunidade.

Qual o tempo de dedicação?

4 meses a total. Ideal dedicação de 1 a duas horas a cada duas semanas mas que fica acordado a melhor forma entre as partes.

Algumas outras questões frequentes são encontradas  aqui.

Pense que isso pode resultar em uma experiência muito enriquecedora e ter um impacto positivo sobre o sucesso profissional. Eu já demonstrei interesse para a próxima rodada, e você porque não faz o mesmo? Preencha esse formulário aqui.

Empréstimo de ferramentas de trabalho em bibliotecas

Tool-Library-1024x7681

Economia e negócios são são temas alheios ás bibliotecas, acredite. Prova disso é o artigo breve de Matthew Yglesias publicado em 2012 onde dedicou umas linhas sobre as bibliotecas do futuro oferecendo seu ponto de vista alheio da profissão bibliotecária.

Para Yglesias, a função tradicional da biblioteca de emprestar livros segue com sentido e sendo eficiente nos dias atuais, porém deixará de ser no futuro, com a previsível extensão do texto digital. Recomenda aos bibliotecários que deixem de pensar apenas em formas de otimizar a função de empréstimos de livros na era digital e comecem a planejar uma mudança orientada a outros empréstimos mais úteis para a a sociedade: as ferramentas de trabalho!

Coleção

Inaugurada em Janeiro de 2000 e foi financiada em modo  Block Grant  que se trata de uma concessão consolidada dos fundos federais, que um governo estadual ou local poderá utilizar a seu critério para programas como educação ou desenvolvimento urbano.

São mais de 5.000 itens entre manuais e ferramentas disponíveis para empréstimo na Temescal Lending Library. Divididas em: Carpintaria e marcenaria, Alvenaria, Ferramentas elétricas, Piso e parede, Jardinagem e paisagismo, Escadas, Movimentação de materiais, Ferramentas mecânicas, Canalização e limpeza de esgotos.

Políticas

  • Para emprestar ferramentas que você precisa ter um cartão de sócio da biblioteca comprovante  de residência que demonstre que o usuário vive em Oakland, Emeryville ou Piedmont.
  • Idade superior a 18 anos são elegíveis para emprestar ferramentas do Lending Library Tool (TLL).
  • Não mais do que  oito (8) itens podem ser emprestados a qualquer momento.
  • Período de empréstimo é de sete (7) dias para a maioria das ferramentas; dois (2) dias para alguns de nossos artigos mais populares.
  • As multas: $ 1.00- $ 20,00 para cada dia uma ferramenta final é, dependendo do valor da ferramenta.
  • Se o item for devolvido danificado, você será cobrado uma taxa de danos.
  • Multas e taxas são pagas em qualquer local da Biblioteca Pública em dinheiro ou cheque. Também podem ser pagas on-line.
  • As ferramentas devem ser entregues limpas.
  • Renovações são permitidas até duas (2) vezes se não houver espera pela ferramenta. Devido à alta demanda, ferramentas marcadas com * não são renováveis.

O bom desse tipo de serviço em  bibliotecas é que permitem que seus usuários possam emprestar ferramentas, equipamentos e guias “how-to” (como fazer) ou “DIY”Do It Yourself (do inglês faça você mesmo)  – espécie de materiais de ensino  , ou seja, funcionando tanto como bibliotecas cumprindo sua função educativa como uma loja de aluguel onde com uma taxa de empréstimo das ferramentas, ou mais comumente de forma gratuita como forma de partilha comunitária.

Materiais adicionais para consulta:

Clique aqui para consultar a política de empréstimo completa. (Original, em inglês)

Clique aqui para consultar outras políticas da biblioteca. (Original, em inglês)

Lista de bibliotecas que oferecem esse tipo de empréstimo no mundo.

Uma biblioteca que empresta utensílios de cozinha como se fossem livros.

Biblioteca de Cozinha

A crescente popularidade de compartilhamento entre as comunidades, está provocando, nos últimos anos, uma sub economia mais justa e social em que as pessoas colaboram e dividem seus recursos.

Recentemente, toScreen-Shot-Tem açúcar-2015-01-26-at-10.44.34-AMmei conhecimento do Tem açúcar?,  uma plataforma onde os usuários compartilham itens/bens/coisas/objetos uns com os outros. Apenas facilita a conexão entre usuários e não tem nenhuma responsabilidade com relação aos itens envolvidos na transação entre eles, ou qualquer outro acontecimento que se dê em contatos e relações, online e offline, entre usuários que tenham se conectado através do site.

Seguindo um conceito semelhante vem um projeto sem fins lucrativos do Canadá chamado The  Kitchen Library  (a biblioteca da cozinha). A primeira biblioteca de empréstimo  de utensílios de cozinha e eletrodomésticos.The-Kitchen-Library-Biblioteca-de-Cozinha

É como uma biblioteca normal, mas em vez de livros de empréstimo você pode encontrar e emprestar qualquer número de aparelhos de cozinha por 7 dias!

Como funciona?

Passo 1: Compre uma adesão (US$ 9 / mês ou US$ 50/anual)

Passo 2: Confira o inventário completo (espremedores de frutas, um desidratador, fabricantes de massas, fabricantes de sorvete, e muito mais!).Ver algo que você deseja pedir emprestado? (usuários podem agora reservar itens!)

Passo 3: Busque  o aparelho que você gostaria de pedir emprestado e leve para você.

Passo 4: Use o aparelho por até 7 dias. Lave-o. Entregue de volta para a biblioteca e vamos verificar o item na devolução.

Funciona como uma biblioteca livros convencionais mas em vez de promover a leitura está focada na cozinha. Ela está atuando como um recurso da comunidade para cozinheiros domésticos.

acervo da biblioteca da cozinha

Além do serviço de empréstimos, a biblioteca tem parceria com a Biblioteca Pública de Toronto é utilizada para ditar oficinas de cozinha e workshops de planejamento de refeições entre seus membros. Desta maneira, os consumidores podem familiarizar-se com o equipamento e  aprender  novas receitas.O objetivo final desta iniciativa é fomentar a cozinha caseira como uma solução aos problemas de saúde causados pela má alimentação.

Demorei mas encontrei a parte que mais tinha curiosidade Penalidades, claro – toda boa biblioteca que se preze tem que possuir uma política de gestão de sua coleção. Abaixo conto algumas coisas que estão claras:

  1. Os membros devem ter 18 anos de idade ou mais para se tornarem membros.
  2. Se houver danos a qualquer aparelho ocorrido como resultado do uso por qualquer terceiro, o membro que emprestou o aparelho será responsável por custos de reparação ou substituição.
  3. Antes de tomar emprestado mais de US$ 200 no valor dos aparelhos, todos os membros devem fornecer um número de cartão de crédito válido ou fornecer um depósito reembolsável para o valor do aparelho.
  4. Se o aparelho não for devolvidos ou incorrer em prejuízos, a biblioteca cobrará o valor total para reparo ou substituição destes aparelhos no número do cartão de crédito fornecido.
  5. A taxa de atraso para cada aparelho é de US$ 1/ dia.
  6. Se entregar o aparelho sujo, paga uma multa  (taxa administrativa) de  US$ 5.

    É possível que este conceito de biblioteca possa ser utilizado também em outras áreas, você pensa em alguma? Conte-me. 

As oportunidades estão na biblioteca pública: apoio a pessoas sem emprego e ao emprendedorismo

As bibliotecas públicas devem recuperar a sua missão social e se concentrar em ajudar os grupos mais desfavorecidos.

Alemanha, Brasil, Espanha, Estados Unidos são países onde já é possível encontrar serviços bibliotecários orientados a pessoas que estão buscando emprego ou ainda aos empreendedores e autônomos, especialmente aos jovens quando o objetivo é oferecer recursos e ferramentas para ajudá-los e apoiá-los a enfrentar o mercado de trabalho cada vez mais competitivo e em busca de pessoas criativas e capacidades inovadoras.

Trata-se de uma questão cultural que está por detrás dos indicadores sociais do desemprego e então a biblioteca ressurge com destaque e mostra o seu papel efetivo como uma instituição agente que pode e deve contribuir para a coesão social.

Depois de ler algumas coisas em fóruns da internet, resolvi escrever um post como sugestão inspiradora aos colegas bibliotecários que gostam e desejam pensar a biblioteca “fora da caixa”, assim que fica o registro como uma maneira de estimular profissionais de bibliotecas a criar e empreender ações sustentáveis para ampliar o protagonismo da biblioteca na sua comunidade.

#O que se observa e que pode ser feito a partir das páginas web ou blog das bibliotecas públicas ou dos terminais de consulta:

  • Serviço de recompilação documental sobre notícias e informações relevantes sobre oportunidades de trabalho e capacitação;
  • Organizar um espaço onde a informação esteja classificada em: orientação; profissões; encontrar um emprego; vida profissional; concursos públicos.

#Nos espaços físicos podem ser organizados diferentes cursos, oficinas e palestras para:

  • A descoberta profissional – conhecendo profissões;
  • Capacitação – divulgação e realização de cursos de curta duração e com saída laboral;
  • Conhecimento e utilização de ferramentas e recursos para busca de emprego;
  • Conhecimento de empreendedorismo e mundo do trabalho;
  • Assessoria para criar plano de negócios, educação financeira;
  • Modelagem de negócios;
  • Iniciação as start-ups;

Seria interessante que as bibliotecas públicas brasileiras possuíssem um espaço ou serviço sobre informação e emprego, considerando ainda as necessidades de informação especializadas para os imigrantes e emigrantes.

#O que considerar:

  • A biblioteca  pública é um lugar excelente por sua neutralidade para desenvolver muitos tipos de serviços, deve ser inclusiva;
  • É necessário cooperar com entidades de forma sistematizada e baseada em acordos, convênios, parcerias;
  • A mediação humana é fator básico nas bibliotecas;
  • Os cursos e oficinas  devem ser personalizados sempre conhecendo o perfil dos usuários;
  • Principalmente: Nunca esqueça de avaliar as ações que se desenvolvem para ver e ter evidências da efetividade e do impacto que tem para a sociedade.

O assessoramento pode ser individual ou em grupo, dependendo do espaço físico e dos equipamentos disponíveis. Obviamente nem todas as competências são obrigatória de bibliotecários. Ora, se estamos na era das cooperações, é esse o momento de buscar pessoas e entidades parceiras( setor de informática, de recursos humanos, de empreendedorismo, de capacitação profissionalizante) para colaborar nos projetos que se pretendem executar.

Além de realizar as atividades é preciso divulgá-las e animar a comunidade a participar. Assim, é sempre bom promover palestras, fóruns, debates, encontros profissionais entre empresários e jovens em busca de emprego. É realmente pensar a biblioteca como um espaço interativo e de encontro.