Serviço de informação sobre mercado de trabalho para as comunidades afrodescendente e LGBTTIQ no Brasil

Esta semana eu estava ouvindo um podcast bem interessante @podcastestamosbem e abordava questões referentes ao trabalho: inserção e ambiente de trabalho. Numa das falas me fez pensar numa questão que pode ser tratada a partir da perspectiva da Biblioteconomia Social especialmente na área de pesquisa do colega bibliotecário argentino Júlio Díaz-Jatuf o qual difunde amplamente estudos sobre acesso e uso das fontes de informação para  as comunidades LGBTTIQ (Lésbica, Gay, Bissexual, Transsexual, Transgênero, Intersexual, Queer).

Há normas nacionais e internacionais que estabelecem a responsabilidade de
diversas atrizes sociais, inclusive nas empresas, pela garantia de direitos humanos. No entanto, a responsabilidade social corporativa isolada não é suficiente para
proteger os direitos humanos, devido ser um processo de recrutamento e seleção permeado de métodos e técnicas mas mediado em parte por pessoa carregadas de crenças e valores subjetivos, devendo as empresas ir além para serem efetivas na oferta de empregabilidade de modo igualitário e favorecendo a redução das taxas de vulnerabilidade econômica e social para determinados grupos.

É verdade que ainda existem muitas brechas informativas e digitais em muitos cidadãos, sobretudo aqueles que encontram-se em contextos desfavoráveis ou que não conseguem ser atingidos pelas políticas públicas de informação, cidadania e inclusão.

Desta forma, vou elencar dois canais que tomei conhecimento:

  • EmpregueAfro – Empregabilidade para negros. É uma empresa de consultoria em Recursos Humanos focada em diversidade étnicoracial. A proposta da empresa é diminuir a taxa de talentos ofuscados pelo racismo, promovendo a igualdade no mercado de trabalho.
  • Transempregos – Empregabilidade para pessoas transgênero no Brasil. Possibilitando o acesso a oportunidades de trabalhos dignos e que lhes garantam os direitos trabalhistas como quaisquer outros cidadãos. Considerando que o preconceito e a falta de informação dos empregadores faz com que 90% das pessoas trans acabem trabalhando com prostituição ou salões de beleza, segundo a Associação Nacional de Travestis e Transexuais do Brasil (ANTRA). Não existem dados estatísticos sobre o número de transexuais, travestis e transgêneros empregados no mercado de trabalho brasileiro. “As travestis mulheres e homens trans que estão no mercado de trabalho não estão registrados com essa identidade de gênero. A maioria está registrada com o nome do seu RG”, afirma Keila Simpson, vice-presidente da ABGLT e presidente da ANTRA.

Penso que estas duas ferramentas podem auxiliar de alguma forma para que estes segmentos possam ser inseridos no mercado de trabalho formal e ampliar a diversidade dentro das empresas. Seria interessante o Sistema Nacional de Empregos (SINE) – coordenado pelo Ministério do Trabalho implantar ação similar dentro do Portal Emprega Brasil.

Espero que os colegas bibliotecários que desenvolvem Serviços de Informação para Comunidade (SCI) possam utilizar e difundir  uma vez que temos um amplo cenário de compromissos para cumprir e compartilhar. Se souberem de mais ferramentas, projetos ou coisas do tipo, deixa um comentário aqui. 😉


Oportunidade de capacitação gratuita:

Escola do Trabalhador

escola-do-trabalhador-1

Projeto que oferta qualificação profissional aos trabalhadores por meio de cursos feitos pela internet. Ela nasceu da constatação de que muitos trabalhadores desempregados não estavam conseguindo se colocar no mercado por falta de qualificação. É uma parceria do Ministério do Trabalho com a Universidade de Brasília (UnB).

  • Os cursos são gratuitos e podem ser acessados de qualquer computador do Brasil por qualquer trabalhador no endereço: http://escola.trabalho.gov.br
  • 50 cursos (divididos por eixos temáticos) definidos a partir do estudo do mercado de trabalho levando em conta as áreas onde há maior necessidade desses profissionais e falta qualificação.
  • Não há pré-requisitos para cursá-los.
  • Não existe escolaridade mínima exigida.
  • Os conteúdos serão compostos de textos, vídeos e jogos.
  • Emite certificado de participação.
  • Os cursos ficam disponíveis no site para todas as pessoas que desejarem se qualificar, mesmo que estejam empregadas.
Anúncios

10 idéias fáceis de uso do instagram para bibliotecários

Você precisará de um telefone com câmera e internet (claramente do aplicativo instagram, que é gratuito, instalado no telefone). As ideias aqui, na verdade se aplicam a todas as bibliotecas, mas direcionado para a biblioteca escolar, visto que sei da existência de colegas que atuam em biblioteca escolar  promovendo atividades tão legais, mas não procuram dar visibilidade às mesmas, isto é triste porque poderiam seguir estimulando e motivando muitos outros tantos profissionais ao divulgar o trabalho na rede mundial de computadores.

Explore sua criatividade e habilidades para fazer gráficos, escrever textos, tirar fotografias. Se esforcem para fazer um trabalho legal. Bibliotecários podem fazer qualquer coisa quando se dedicam a isso!

 Cada post do Instagram pode ser postado na conta do Twitter, Facebook, Flickr, Tumblr, caso a biblioteca também tenha conta/ perfil nessas ferramentas.

bookselfie-flickr

Mas qual será o foco das minhas postagens?

Calma, aqui estão algumas sugestões do que pode ser postado. Lembre-se que seu foco será na grande maioria das vezes as temáticas: biblioteca, livro e informação. Seguem:

  • Mostrar as novas aquisições da biblioteca;
  • Fotos de exposições e atividades que a biblioteca organiza ou participa.
  • Divulgar livros mais lidos ou mais procurados;
  • Promoção projetos  –  Tem uma ótima história para contar? Quer divulgar um evento? Tem algo inovador na biblioteca? Uma área de Makerspace? Que tal um encontro com o escritor? Promova ou compartilhar esse programa usando o Instagram. Os eventos se tornam motivo de diversão desde o momento de divulgação.

Makerspace é um espaço comunitário equipado com ferramentas para a criação de projetos e trabalhos. Estes espaços para além de disponibilizarem o acesso a tecnologias e ferramentas, potenciam também a partilha de conhecimento e criação de sinergias, com foco na criatividade e inovação. 

Por fim, conforme prometido, aqui estão as 10 ideias:

Basicamente, a chave do sucesso estará no uso de # (hashtags), isto pode parecer óbvio, mas não custa nada repetir. Vamos lá, algumas dicas que poderão ajudá-l@s na hora de criar uma nova conta  para sua biblioteca: 

  1. Mini visita virtual da sua biblioteca e seus recursos. Seja criativo, faça os vídeos curtos de até 60 segundos. Para ficar mais interessante, adicione música, use ângulos interessantes e mostre a sinalização ou sobreponha textos.
  2.  Vídeos –  utilize o aplicativo Flipagram é um ótimo aplicativo de edição de vídeo que permite que você inclua desenhos animados, texto sobrepostos, adesivos e músicas populares e
  3. Promoção do livro – Publique videos de até 60 segundos, você pode facilmente criar promoções de livros atraentes ou mini-anúncios de livros usando o Instagram. Considere o tema, a configuração ou os caracteres de um livro e crie um quadro para uma sessão de fotos. As promoções de livros de vídeo podem ser encenadas como mini-comerciais, trailers ou como palestras de livros. Considere levar alguns livros favoritos em uma viagem e faça fotos deles fora da biblioteca.
  4. Exibição interativa – Use um canto da biblioteca e deixe post-it .Faça com que os pequenos escrevam uma nota rápida sobre o que eles gostaram sobre o livro e coloquem para que outras crianças o leiam. Poste no Instagram uma foto dessa nota para a posteridade e para que outros pequenos digitais possam vê-la.
  5. Capture a leitura – Tire uma foto dos usuários e pergunte se está tudo bem postar no Instagram. OU, peça para pousarem.  Capture momentos de leitura por prazer, ou relaxamento.
  6. #shelfies (prateleiras/estante) – Como uma selfie, mas com um livro. Peça aos usuários que  segurem o livro que acabaram de emprestar ou que estão devolvendo a biblioteca, eles são chamados de shelfies. Certamente se o seu público é de adolescentes a maioria vai  adorar exibir o livro mais recente e até mesmo querer ser marcado na foto! 
  7. #bookface – capas de livros que apresentam rostos ou parte de rostos, ou costas, ou pernas, ou braços são ótimos para segurar e levar para o que agora é chamado de uma imagem #BookFace. Mistura parte do corpo da pessoa com a arte da capa.
  8. #livrosdevolvidos – Empilhe os livros mais populares que foram devolvidos no dia e tire uma foto, sugerindo-os como leitura para os seguidores.
  9. Concursos – Realize um concurso com a comunidade! Dá uma oportunidade para as pessoas entrarem em contato, responderem a perguntas e interagirem com a biblioteca.
  10. #tbt  – Tbt significa throwback thursday, ou quinta-feira do retorno/regresso. Semanalmente você pode postar fotos de anos anteriores, seja das ações ou fatos interessantes da biblioteca.

 

 

 

Leia estas orientações para tirar as fotografias e evitar possíveis repercussões negativas

Este tema pode parecer um pouco complexo demais, mas não conhecê-lo pode acarretar em problemas sérios para sua fotografia. Com o crescimento da internet fica muito fácil cometer algum deslize jurídico mesmo sem esta intenção, o que pode custar muito caro para sua carreira e bolso.

  • Entre direitos e deveres do fotógrafo e do indivíduo capturado nas imagens, vale ressaltar a importância da leitura.
  • Como sempre, o dialogo é a melhor saída para evitar desentendimentos e brigas judiciais sérias e não custa nada informar-se mais a fundo sobre este tema e garantir seus direitos e deveres, não é mesmo?
  • Quando o  seu público de usuários for crianças ou menores de idade, informe aos pais que trata-se de uma fotografia ou um projeto da biblioteca e a peça autorização para utilização da imagem  e esclareça as formas e locais de exposição, distribuição.

 

Deixe o seu comentário sobre este artigo ou esclareça mais alguns pontos sobre direitos autorais e de imagem no campo de comentários abaixo. Será incrível ter a sua contribuição para enriquecer ainda mais este conteúdo.

 


Política de comentários:

  1. Seja respeitoso e não ataque o autor, as pessoas mencionadas no artigo ou outros comentaristas. Aceite a ideia, não o mensageiro.
  2. Não use linguagem obscena, profana ou vulgar.
  3. Foque na questão. Os comentários que se desviarem do tópico em questão podem ser excluídos.

Cover Art Archive: um imenso arquivo on-line de capas de discos

Internet Archive Cover Art 01

O projeto Cover Art Archive visa disponibilizar imagens de capas de álbuns e singles ao público “de uma forma organizada e conveniente”. Iniciativa do site de metadados de música MusicBrainz e o arquivo de conteúdo online Internet Archive.

Acesso em: https://archive.org/details/coverartarchive&tab=collection

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo

Conheça as melhores práticas de museus e exposições virtuais

O projeto Unplace pretende discutir o conceito de “museografia intangível”, no campo das exposições de arte contemporânea, especificamente produzidas para contextos virtuais e em rede.

Conscientes que o  fenômeno de mediatização e globalização alterou uma série de paradigmas nas instituições museológicas, enquanto atrações turísticas e lugares de dinamização urbana e cultural ao longo das últimas duas décadas, fazendo emergir projetos de museus e exposições virtuais, sediados na Internet – tendo o ciberespaço como lugar para pensar o design das exposições, de curadoria, trazendo portanto discussões sobre Arte Digital ou a Internet Art.

Nesse sentido temos as principais plataformas colaborativas internacionais, como o Google Art Project ou, o MatrizNet (catálogo coletivo on-line de 34 museus da Rede Portuguesa de Museus), seguem também essa via, situando-se assim claramente no domínio da simulação do preexistente, potenciado pela diversidade e pelo cruzamento de patrimônios com múltiplas localizações. Esse detalhe que realmente me chama a tenção: a possibilidade de descobrir conexões entre obras de arte. 

Para entender mais sobre o projeto Museu sem lugar acesse a página de publicações AQUI e faça o download do e-book MUSEUS SEM LUGAR: ensaios, manifestos e diálogos em rede e outros.

Aqui no Brasil, sei que os Museus do Futebol, da Casa Brasileira (até o momento não consegui visualizar as exposições virtuais) e o Afro Brasil, todos instituições do Governo do Estado de São Paulo, integraram recentemente o projeto mundial da Google Arts & Culture ‘We Wear Culture’ junto com mais de 180 museus em São Paulo, Nova York, Londres, Paris, Tóquio, Berlim e outras cidades ao redor do mundo.

É importante reconhecermos que a relação entre artistas e visitantes de museu se transforma com as tecnologias disponíveis. Inclusive há comunidades de artistas que se dedicam ao espaço virtual, seja produzindo obras para serem disponibilizadas na web ou ainda fazendo a curadoria de materiais nesse ambiente. O padrão de comportamento é construído coletivamente mas lembrem-se: as possibilidades são convergentes e não restritivas.

Quero destacar que uma não substitui a outra e há questões de preferências. Para os apaixonados por arte pode ser  vantajoso e realmente pode ser um público que quer mergulhar na observação sem sair de casa, é possível realizar diversas experiências virtuais 360º e aproximar a imagem em alta resolução. De outro lado há  os espectadores que preferem visitar os locais por acreditarem na interação e na vivência simbólica que transmite a narrativa histórica do lugar, seja: a cidade, o bairro, os edifícios e o entorno do museu; esses realmente querem a experimentação direta com o objeto  museológico.

Seguindo essa linha, escolhi opções para visitas de exposições virtuais:

  • Afro Brasil Dividido por meio de Núcleos temáticos, o acervo procura abranger aspectos da arte, da religião afro-brasileira, do catolicismo popular, do trabalho, da escravidão, das festas populares, registrando assim, a trajetória histórica, artística e as importantes influências africanas na construção da sociedade brasileira.

Captura de Tela (47).png

  • Museu do Futebol Mais do que sobre esporte, o Museu do Futebol é, antes de tudo, um museu sobre a história do povo brasileiro. Um museu cercado pelos mistérios da euforia que todos temos pela bola, pelo drible e pelo gol. Um mistério que unifica e separa como as grandes paixões coletivas, onde as alegrias são sempre maiores que as tristezas.  Entre no feitiço de como um esporte inglês, branco e de elite, aos poucos ganhou novos traços: tornou-se brasileiro, popular, mestiço e uma das mais reconhecidas manifestações culturais do nosso país.

Captura de Tela (48).png

  • Exposições virtuais do Arquivo Nacional é uma iniciativa da instituição para difundir seu acervo, compreendido entre o século XVI aos nossos dias, fundamental para o princípio democrático de acesso à informação pública e para a pesquisa em inúmeros campos do conhecimento.

Captura de Tela (45)

  • O projeto Era Virtual foi e continua sendo resultado da percepção de que nesta nova era da tecnologia das informações é essencial inovar, rever e reconstruir o modo de promover a cultura. Ao perceber o potencial de das visitas virtuais em promover as instituições beneficiadas, em 2013, decidimos desenvolver o projeto também para os parques nacionais e para as cidades com sítios considerados como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Navegue e descubra o nosso Brasil.

Captura de Tela (44)

  • Museu Evita (Argentina) O Museu Evita é um importante passeio para quem quer aprender mais sobre a história argentina e entender essa paixão do povo por Eva Perón, mulher tão marcante para o país. Hoje o local é um dos principais atrativos turísticos da cidade. Percorra toda a trajetória da grande heroína da Argentina, o museu traz fotos, roupas e documentos que fizeram parte da vida de Evita. O museu fica em um grande casarão em Palermo e é um dos passeios mais recomendados. 

museuevita-tourvirtual

Captura de Tela (46)

Você já fez alguma visita virtual incrível em algum museu não listado aqui? Comente aqui qual foi, também gostaria de conhecer.

 

Aplicativos mais excitantes para bibliotecários

aplicativos para bibliotecários

Na era da informação um dos lugares mais comuns para as pessoas procurarem informações é no telefone móvel. Sabemos que é cada vez maior o uso de smartphones bem como o acesso à internet através dos mesmos. Por isso é importante que  as bibliotecas contemporâneas sigam as tendências e acompanhem os avanços tecnológicos  que integrem os computadores, a internet e outras ferramentas importantes como parte normal desse processo.

Assim como outras profissões, nós bibliotecários nos deparamos com  a necessidade de utilizar smartphones e tablets para completar as tarefas cotidianas e realizar trabalhos de forma mais rápida e eficiente. Embora nem todos sejam úteis na biblioteca, você pode se surpreender ao conhecer os que surgiram com um propósito literário. Selecionei aplicativos gratuitos e multioperacionais: Android, iOS e Windows Phone.

.PERIODICOS.

O aplicativo .periodicos. permite ao usuário ter acesso ao acervo do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), uma fundação do Ministério da Educação (MEC). É uma biblioteca virtual que disponibiliza conteúdo científico internacional de alto nível, com acesso a periódicos, referências bibliográficas com resumo, teses e dissertações, normas técnicas, livros, obras de referência, estatísticas, patentes, arquivos abertos e redes de e-prints.

RefME 

Ferramenta de referências e bibliografia. Permite gerar referências mediante o escaneamento do código de barras do livro, revista, CD ou DVD utilizando a câmera do telefone. Pode ainda buscar pelo título, ISBN, ISSN, DOI ou URL. Permite adicionar notas, colaborar com outras personas, exportar através do e-mail.

Biblioteca pessoal (em espanhol)

É um aplicativo para Android para catalogar, organizar e classificar um acervo de livros. Com comandos simples e práticos, o usuário pode inserir título, autores, editoras e outras informações sobre cada obra, podendo ainda selecionar imagens de capas. Além disso, o app também permite qualificar os livros com notas, escrever descrições, estabelecer metas de leitura e controlar prazos de empréstimos.

Minha biblioteca

Permite catalogar sua biblioteca pessoal e realizar pesquisas rápidas dentro dela. é possível adicionar um livro à sua biblioteca escaneando o seu código de barras (título, autor, capa, resumo, data publicada, editora); ou ainda através do seu número ISBN.  Ordenar  sua biblioteca por títulos, nomes, categorias, lidos / não lidos. Exportar dados da biblioteca em  um arquivo do Excel.

Kindle

Você terá acesso ao nosso acervo com mais de um milhão de eBooks Kindle, faça sua escolha e baixe o primeiro capítulo gratuitamente antes de decidir se quer comprá-lo. Com a tecnologia Whispersync da Amazon, você sincroniza automaticamente seus livros entre vários dispositivos incluindo os mais populares smartphones, tablets e computadores. Desse modo é possível continuar a leitura em um dispositivo diferente de onde você parou. Permite o ajuste o tamanho do texto, alterar o brilho da tela, escolher a cor de fundo e ler no modo retrato ou paisagem.

Wattpad

Baixe histórias grátis e junte-se a milhões de pessoas que adoram o Wattpad – a biblioteca mundial ilimitada, sempre em expansão, de livros e histórias gratuitas.

Free Books (inglês)

O aplicativo Livros gratuitos oferece 51.305 títulos clássicos para sua seleção e permite destaques, notas, suporte de dicionário e marcadores, o que o torna um recurso para qualquer biblioteca.

Google Keep – notas e listas

Guarde rapidamente todas as suas ideias e lembre-se delas a qualquer momento onde quer que você esteja. Grave uma nota de voz em qualquer lugar e transcreva-a automaticamente. Tire uma foto de um pôster, recibo ou documento e organize-a ou encontre-a facilmente depois na pesquisa. Com o Google Keep, você captura facilmente uma ideia ou uma lista para lembrar e compartilhar com amigos e familiares. Todo o conteúdo adicionado é sincronizado em todos os dispositivos para que você possa acessá-lo a qualquer momento.

Cam Scanner

Disponível para aparelhos com sistema operacional Android, iOS ou Windows Phone. Transforme-o num scanner de mão, com recursos de controle de brilho da imagem capturada para um melhor reconhecimento e qualidade.

Newsmap

Um mapa de notícias exclusivo que lhe permite ver as últimas manchetes no mapa!  Leia manchetes rápidas. com um link direcionando você para o artigo de notícias. Reúne os principais jornais e revistas no Brasil. Com este aplicativo, você pode ter em um único lugar, toda a informação que quiser, sem ter que navegar para cada um dos sites de cada jornal ou revista.

Jornal do Brasil

Lista dos principais jornais do Brasil, revistas, sites de notícias on-line.  Permite perosnalizar a ordem dos jornais  por “A-Z”, “Usuário” e “Leia mais frequentes”;  Adicionar / Excluir jornal, revista; Compartilhar a notícia por email ou redes sociais.

Flipboard

Serviço premiado que reúne notícias, histórias e conversas sobre qualquer um de seus interesses ou paixões. Com tudo reunido em só lugar, nunca foi tão fácil ler, colecionar ou compartilhar histórias. Permite ler, curtir e compartilhar histórias de tópicos variados. Assim, poderás manter-se atualizado com a Edição do Dia, um resumo de histórias importantes que você precisa saber.

Feedly (inglês)

é um leitor de RSS que transforma seu conteúdo em uma revista interativa com uma interface surpreendente. Agrega RSS, canais do Youtube, blogs, podcasts, Tumblr e outros para se trazer tudo que você precisa em um só lugar. A interface lembra uma revista. O conteúdo pode ser acessado pelas publicações de hoje, os últimos vistos, salvos para leitura posterior, ou pelos grupos de canais assinados.

Google Notícias e clima

Seu olhar amplo e personalizado das manchetes, bem como do clima e das notícias locais. Experiência de leitura com carregamento instantâneo e Accelerated Mobile Pages (AMP). Deslize para acessar categorias como Notícias principais, Tecnologia, Esportes e Clima.

Duolingo

Excelentes cursos gratuitos para aprender inglês, espanhol, alemão ou francês com a metodologia da Gamificação – um método divertido que mescla a educação com elementos de games, como corações (vidas) e prêmios.

Conhece mais algum que poderia tá nessa lista? Comenta aqui. Ficarei bem contente em saber.

Netvibes: tudo o que você precisa saber para aplicar essa ferramenta na sua biblioteca.

Descrever e analisar a implementação de um ambiente de trabalho virtual como um novo serviço bibliotecário para o desenvolvimento das competências de alfabetização informacional: a alfabetização digital. Isso envolve a capacidade de alunos e professores no uso da Internet, e para compreender e utilizar documentos de hipertexto.

Captura de tela da interface de usuário do Netvibes aplicado a Biblioteca Escolar em Buenos Aires

Captura de tela da interface de usuário do Netvibes aplicado a Biblioteca Escolar em Buenos Aires

A utilização da Internet pelos alunos faz com que a aquisição de competências e habilidades em informação seja cada vez mais necessária devido ao aumento da informação disponível. Para isso eles precisam adotar estratégias melhores, tanto para a investigação, para a seleção e mesmo para reformular a informação e serem mais capazes de transformá-la em novos conhecimentos.

O desenvolvimento e implementação de um ambiente de trabalho virtual usando a ferramenta on-line Netvibes permite que os usuários tenham, em um único lugar, recursos educacionais on-line e permite ainda que bibliotecários possam armar uma interface para ensinar como localizar informações na Internet, desenvolver critérios seleção e avaliação de recursos na web (autoridade, navegabilidade, cobertura, atualidade), analisar de modo comparativo como  são apresentados os resultados das consultas, e avaliar a relevância e eficácia das informações obtidas.

Se é o Netvibes serviço web que atua a modo de área de trabalho virtual personalizado, similar a Página Principal Personalizada do Google. Assim, representa uma contribuição valiosa para agilizar os processos e melhorar os resultados das pesquisas de informações realizadas pelos usuários da biblioteca escolar, preparando-os para ser capaz de usar a informação para resolver problemas e tomar decisões.

Resolvi divulgar a ferramenta porque acreditei no poder atrativo da ferramenta num ambiente de trabalho ainda mais em contexto onde normalmente  não dispomos de suporte técnico de informática abundante e nem mesmo recursos financeiros. Portanto, desejamos soluções simples e livre. Então, durante a cursada de um seminário no  mestrado uma amiga, a Bibliotecária Licenciada Verónica Luján Cavalleri que é apaixonada e atua em biblioteca escolar, está implantando um portal com dita aplicação que pode ser consultada em www.netvibes.com/biblioteca10de10 .

#Conhecendo funcionalidades estruturais básicas

A interface é básica e altamente personalizável, portanto você pode agregar abas, notas e outros widgets (aplicativos) pensando na contribuição para a inserção desses usuários na sociedade da informação e do conhecimento, alcançando assim uma sociedade mais igualitária e democrática.

Abas – Crie abas temáticas para facilitar a visualização. Como podemos observar no caso onde foi aplicado o Netvibes, a colega optou por criar abas: Inicio, Obras de Referência, Bibliotecas digitais, Vídeo-livros e áudio livros, Canais educativos, Revistas de Literatura Infantil e Juvenil, Aprender jogando, Contos digitais.

Notas e notícias – Sugere que sejam postas na aba Início. Você poderá dar conhecimento da missão e visão da biblioteca, regulamento, horário de funcionamento, serviços e novidades, como chegar utilizando os ônibus ou outros meios de transporte, novas aquisições, eventos, sugestão de leituras e outros.

Widgets – podem ser incorporados coisas como previsão do tempo, link de notícias dos principais jornais de circulação nacional e local, aplicativos de jogos educativos.

#Outro caso onde o Netvibes é utilizado

Vi que a ferramenta também é usada pela  Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin desde ano 2010 e oferta abas com recursos para todas as suas comunidades, inclusive para o público adolescente e de crianças.

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin - setor infantil

Captura de tela do Netvibes aplicado na Rede de Bibliotecas Públicas de Dublin – setor infantil

Cada um conhece a sua realidade e o público para quem trabalha. Use a sua criatividade e crie uma interface para o seu local de trabalho sem precisar de recursos financeiros extra. Dedique tempo e você poderá ter um lindo (e eficiente) portal.

Se você gostou da ideia e pretende aplicá-la, compartilhe aqui nos comentários o link e mostre como ficou o seu trabalho. 

.